Negócio itinerante vai aonde o cliente está

Negócio itinerante vai aonde o cliente está

Franqueadoras investem na criação de lojas móveis para atingir público diversificado

Claudio Marques

23 de outubro de 2016 | 07h05

João Baptista Sundfeld Junior, em sua unidade móvel

João Baptista Sundfeld Junior, em sua unidade móvel

Não são apenas os artistas que precisam ir aonde o povo está. Empreendedores também estão apostando nessa máxima e criando negócios itinerantes, montados em caminhões, carretas e contêineres.

Executivo da área financeira, João Baptista Sundfeld Junior estudava o mercado de franquias desde 2009. Em 2015, ao sair de uma empresa, decidiu que o momento de empreender havia chegado.
Sua primeira loja física do Mercadão dos Óculos foi inaugurada em dezembro de 2015. A segunda, em maio deste ano. No final de junho, apostou na mobilidade e adquiriu uma loja sobre rodas da mesma marca.

“O negócio tem tido ótima aceitação. As pessoas acham muito interessante, principalmente porque não é uma coisa improvisada, temos realmente uma ótica móvel”, conta.

Pesando 900 kg a carreta é deslocada por meio de engate em outro veículo. “O carro precisa ter estrutura forte para que não haja nenhum risco. A loja itinerante tem capacidade para expor 300 óculos, enquanto na loja física exponho 500 unidades no máximo.”

Sundfeld Junior tem levado sua loja para eventos nos finais de semana, como feiras de arte e de pets. “Em julho, fiquei uma semana na Riviera de São Lourenço, em Bertioga, participando de uma festa ‘junina’. Lá, um terço do faturamento foi obtido com a venda de óculos de grau. Algumas pessoas já tinham receitas e outras fizeram a compra e posteriormente mandaram a receita por WhatsApp. A tecnologia facilita o trabalho, fazemos muitas vendas dessa forma.”

Ele diz que, ao participar de feiras, não precisa se preocupar com autorização, porque o organizador do evento é o responsável por todas as autorizações. “Para parar na rua é preciso ter alvará da Prefeitura. Uma opção que tenho adotado é estacionar em posto de combustível ou em estacionamento. Muitas vezes, nem preciso pagar nada, porque a loja atrai um fluxo diferente de pessoas para o ponto, o que é interessante para o proprietário do local.”

Com a proximidade do verão, o empresário já está providenciando autorização para parar nas ruas de duas cidades do litoral paulista. “Poder ir atrás do público é a grande vantagem desse tipo de negócio. Além dos eventos, posso fazer parcerias com empresas e supermercados. O leque de opções é muito maior do que o de uma loja física. A experiência que tive no inverno foi muito boa, por isso, acho que no verão será melhor.”

A unidade móvel do Mercadão dos Óculos custa a partir de R$ 79 mil e o prazo de retorno do investimento é estimado entre 12 e 18 meses. O faturamento mensal é de R$ 25 mil, aproximadamente.
Antes de virar franqueado da marca de produtos de limpeza Ecoville, Ricardo Mendes era representante comercial de uma empresa de cosméticos. “Com o tempo, o fato de vender entre R$ 50 mil e R$ 60 mil por mês e ganhar 1% de comissão começou a me incomodar e resolvi vender meu carro e minha moto para investir R$ 65 mil em uma unidade móvel da Ecoville. Agora, ganho muito mais e já dei entrada em um carro novo.”

Ricardo Mendes, Franqueado Ecoville

Ricardo Mendes, Franqueado Ecoville

O empreendedor diz que sua área de atuação é na região da Grande Florianópolis. “Cada dia passo por um bairro. Uso um jingle produzido pela marca para anunciar a venda de desinfetantes, amaciantes etc. É um ótimo chamariz porque as donas de casa adoram os produtos da Ecoville e já ficam no portão esperando para efetuarem as compras”, afirma.

Mendes tem intenção de comprar mais uma unidade e contratar uma pessoa para conduzir a loja itinerante. “Acho que em fevereiro terei condições de investir em outra unidade.”

Consultora da Uniko – Inteligência em Franchising e Varejo, Cristiane de Paula afirma que existem várias vantagens de possuir um negócio itinerante. “O empreendedor pode, por exemplo, atingir o público que participa de feiras, shows, atividades esportivas etc. Esse tipo de negócio costuma reduzir o custo da operação e do mix de produtos ou serviços, facilitando o dia a dia e aumentando a margem de lucro.”

Ela afirma, no entanto, que não se deve deixar de considerar a influência da condição climática no faturamento. “Em dias de chuva as pessoas costuma dar preferência a estabelecimentos fechados.”

Segundo ela, alguns municípios já regulam o negócio itinerante e estabelecem previamente locais e horários de estacionamento. “É importante ressaltar que a lei pode variar de acordo com cada cidade. Antes de investir neste modelo pesquise com profundidade. Uma alternativa bastante viável é estacionar em áreas privadas como em shoppings, universidades, estacionamentos particulares ou na área externa de empresas, tendo sempre uma autorização prévia”, diz.

Cristiane afirma que o candidato a uma franquia de loja móvel deve se questionar se tem perfil para ser franqueado porque terá de seguir regras e padrões estipulados pela franqueadora. “Também deve escolher um segmento com o qual tenha forte identificação, além de avaliar o território de atuação estipulado pelo franqueador, assim como o plano de negócio, os investimentos necessários, taxas, ponto de equilíbrio, rentabilidade e a reputação da franqueadora.”

Cristiane de Paula, consultora da Uniko

Cristiane de Paula, consultora da Uniko

Modelo sobre rodas amplia área de atuação das marcas

Fundador da Container Segurança, franqueadora especializada em locação de contêineres usados como depósito de material de construção em canteiros de obras, Ivan Zafalon afirma que a ideia de lançar um novo negócio surgiu quando viu que havia grande demanda para a locação de equipamentos de pequeno porte para construção civil, jardinagem, manutenção e limpeza.

“A partir desta constatação, criamos a marca Gênio da Locação e adotamos o modelo de loja itinerante.”
Segundo ele, entre as vantagens da loja móvel está o fato de não haver custo de ocupação como aluguel e IPTU. “Outro ponto positivo é a possibilidade de levar o produto até o consumidor. Pelo fato de não haver estrutura física, o investimento total é R$ 150 mil. O faturamento bruto é 8% sobre o valor investido em equipamentos e de 35% a 45 % de margem liquida. A previsão de retorno do investimento é de 24 a 36 meses.”

O empresário afirma que a própria unidade funciona como uma ação de marketing itinerante. “O modelo resulta em agilidade e rapidez na entrega, oferecendo ao cliente um atendimento personalizado.”

Segundo ele, o franqueado tem uma área pré determinada de atuação com raio potencial de 7 km, definido por estudos de geomarketing.

“Recomendamos que os franqueados estacionem a unidade em canteiros de obras, loteamentos e condomínios. A carreta articulada é transportada por meio de um sistema de engate em carros comuns”, afirma.

O diretor de operações da franqueadora Sóbrancelhas, Jonathan Bernardes, conta que a marca lançou o modelo truck por considerá-lo ideal para ser instalado em pontos que não comportam uma loja física e nem o quiosque.

“Na praia de Copacabana, por exemplo, é possível obter alvará da prefeitura e colocar uma unidade móvel para ficar instalada durante toda a temporada de verão. Dependendo do ponto, esse tipo de operação tem capacidade operacional maior do que a de uma loja instalada em shopping.”

Segundo ele a unidade móvel tem de ser transportada por um caminhão modelo básico. “Nossa loja é construída a partir de um contêiner e tem nas quatro laterais estruturas hidráulicas que são ativadas quando a unidade é removida do veículo. A loja possui fachada e é equipada com ar condicionado, televisão e área para o atendimento das clientes”, conta.

Jonathan Bernardes, diretor de operações da Sóbrancelhas

Jonathan Bernardes, diretor de operações da Sóbrancelhas

Bernardes afirma que todos os serviços prestados pela marca como design de sobrancelhas e visagismo, alongamento de cílios, aplicação de henna, limpeza de pele, depilação egípcia, tintura de sobrancelhas etc, podem ser feitos na loja itinerante, exceto a micropigmentação.

O diretor diz que o investimento total para adquirir uma unidade móvel é R$ 180 mil. Lançada em 2013, a marca possui 173 unidades em operação, sendo 107 lojas físicas e 71 quiosques. “Estamos em processo de negociação avançada com três interessados em comprar a unidade móvel. Eles irão atuar nas praias de Bertioga, Santos e Rio de Janeiro”, conta.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: