Nem desânimo nem empolgação em excesso no começo do ano

Nem desânimo nem empolgação em excesso no começo do ano

Moderação é essencial para quem perdeu a esperança com a crise ou para quem aposta todas as fichas em 2017

Claudio Marques

08 de janeiro de 2017 | 07h55

Empolgação 2

Sem exagero: Animação demais pode ser prejudicial | Imagem: Creative Commons

Caroline Monteiro / Especial para o Estado

Empreendedores que tiveram um ano complicado em 2016 podem estar vivendo uma das duas situações: desmotivação, causada pelo medo de 2017 ainda ser um ano de crise; ou empolgação, gerada por excesso de esperanças com o novo ano.
A consultora do Sebrae-SP, Cristiane Viude Fernandes Sevilla, aconselha evitar o desânimo exagerado. “É hora de manter o pé no chão e analisar as situações com cautela, mas, muitas vezes, é da crise que nascem as oportunidades. Ela tira da zona de conforto e dá um empurrãozinho em direção ao crescimento”, afirma.
Segundo ela, essa é hora de redescobrir a motivação que fez o negócio surgir. A consultora indica visitas a negócios semelhantes para buscar novas ideias. “Crie um novo produto, serviço ou mude o modelo de negócio. Aproveite a maré baixa para se reinventar.”
Pé no freio. Ao mesmo tempo, colocar o pé no freio é indicado para quem cria muita expectativa na virada do ano. Para o coordenador da comissão de empreendedorismo da Câmara de Comércio França-Brasil, Daniel Brandão de Castro, 2017 exige cautela. “As perspectivas são melhores, mas o ritmo ainda é lento”, diz. Sem cuidado, há mais riscos de contrair dívidas ou investir no negócio errado, segundo o coordenador.
“Sugiro que os jovens empreendedores encontrem apoio em quem já é empresário faz tempo. A ajuda pode vir de consultores ou investidores-anjo”, diz. “As pessoas tem pressa em fazer acontecer, mas a afobação pode ser prejudicial.
Cristiane também alerta. “A empolgação excessiva pode fazer com que o empreendedor ignore alguns cuidados”, diz.
Mudança. Para quem quer mudar de ramo, a dica é investir mais do que nunca em um plano de negócios de qualidade.
“Mesmo que seja um empresário experiente, é sempre indicado prestar atenção nos detalhes da nova atividade”, diz. “Não esqueça dos planos de marketing, operacional e financeiro. O que servia para um modelo pode não funcionar para outro.”
A consultora sugere o mesmo cuidado para quem quer investir em uma franquia. “Pesquise os números da marca e fique atento aos contratos antes de assumir uma nova responsabilidade. Muito cuidado com a impulsividade e os negócios da moda, que são sazonais”, diz.

Leia mais

Tudo o que sabemos sobre:

capacitaçãoempreendedorismocrise

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.