O engraxate que virou empresário

O engraxate que virou empresário

Claudio Marques

27 de abril de 2012 | 09h00

Cris Olivette
Experiência não falta a José Eduardo Trindade, o bem sucedido empresário de 78 anos que neste ano comemora os 45 anos da Bobinex, a única fabricante nacional de papel de parede.
Mas, antes do sucesso, Trindade trilhou um caminho de muito trabalho. “Arrumei meu primeiro emprego aos nove anos, como engraxate numa sapataria. Logo depois fui ganhar mais sendo verdureiro.” Foi assim, sempre tentando ganhar mais para ajudar os pais e oito irmãos, que trabalhou como office boy, vendedor e faturista, em paralelo jogava futebol no Palmeiras.
Ao completar 21 anos, já comandava uma equipe de 120 pessoas como gerente geral de vendas de uma empresa de etiquetas adesivas. Mesmo assim, não estava satisfeito. “Eu queria comprar uma casa para minha mãe. Fui pedir aumento e não obtive, então resolvi montar meu próprio negócio”, recorda.
Primeiro, criou uma empresa de adesivos, que não deu certo. Depois, junto com um dos irmãos, teve uma companhia de embalagens. “A partir desse negócio comprei a Bobilinea, que batizei como Bobinex, em 1967.”
Ao longo de 45 anos como empresário, Trindade teve como concorrentes quatro multinacionais e cinco empresas nacionais. “Há oito anos a Bobinex não tem mais concorrentes no País. Nós sobrevivemos porque inovamos, criando também fitas de borda para o setor moveleiro e uma placa de papel que lembra fórmica e dá um ótimo acabamento aos móveis.” Hoje, sua empresa produz 50 mil rolos de papel de parede por mês e distribui seus produtos para mais de três mil pontos de revenda.
Segundo Trindade, para ser um empresário bem sucedido é preciso ser objetivo, saber onde quer chegar e sempre perguntar Por que? Como? Quanto custa? “Também tem de trabalhar muito, porque a sorte premia quem está em busca. Ela vem quando você faz por merecer.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.