O especialista responde
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O especialista responde

O que levar em consideração na hora de definir as formas de pagamento?

blogs

03 Setembro 2018 | 07h35

Foto: Pixabay

Magda Calegari*

Para definir as formas de pagamento que disponibilizará ao cliente, o empresário deve entender quatro pontos principais. O primeiro é como pretende receber do cliente e entender como o cliente prefere pagar. É preciso alinhar as estratégias de forma que o processo de pagamento seja conveniente para o cliente e esteja de acordo com a necessidade de capital de giro e estratégia de custos da empresa.

Por exemplo, se os produtos vendidos pela empresa são de baixo valor e margem unitária baixa, o ganho será no volume. Toda taxa adicional pode impactar no resultado final da empresa, portanto a taxa cobrada na utilização da máquina de cartão pode fazer a diferença. Como dica, uma possibilidade neste exemplo seria receber somente compras no débito.

O segundo ponto é alinhar a estratégia da empresa com a forma de recebimento do cliente. Segundo pesquisa da Nielsen foram avaliados os tipos de pagamento por valor de compra relacionando se o cliente prefere pagar com dinheiro, cartão de crédito, cartão de débito ou outros.

Foi identificado que quanto menor o valor de compra maior tendência à utilização do dinheiro e quanto maior o valor de compra, maior a tendência na utilização dos meios de pagamento eletrônico.

Também é importante conhecer inovações existentes no mercado, as novas marcas e novas opções de meios de pagamento. A evolução da quantidade e da qualidade dos smartphones permitiram que inúmeras aplicações ou soluções surgissem no mercado.

Um exemplo prático é um aplicativo que permite enviar e receber pagamentos pelo WhatsApp gerando conveniência e rapidez nas transações de maneira exponencial para ambos os lados.

O quarto ponto envolve a comparação de taxas e opções. A cobrança é o ponto de maior tensão na jornada de compra. Quanto mais ameno e conveniente o processo, menor risco de conflito e melhora a percepção de valor do cliente.

*Consultora do Sebrae-SP