Quando o pequeno se torna um grande negócio

Claudio Marques

26 de março de 2012 | 09h00

Cris Olivette
Pulverizar a carteira de clientes e fornecer para diversas micro e pequenas empresas (MPE) pode ser uma estratégia para dar sustentação aos negócios, afirmam empresários e especialistas. “Quem fornece para pequenos negócios pode diversificar a clientela e diluir os riscos da atividade”, avalia o consultor de marketing do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-SP), João Abdalla Neto. Juntas, as MPEs representam 99,2% das companhias brasileiras e empregam 67% das pessoas economicamente ativas, segundo o Sebrae.
Para atrair essa legião de empresários, a recém lançada gráfica Zocprint nasceu com a missão de atender especificamente a demanda de microempreendedores. “Nossa proposta está estruturada dentro do conceito self service, e foi criada para atender a todas as necessidades de marketing das micro e pequenas empresas”, diz o CEO da companhia, Marcos Leal.
A Zocprint oferece em seu website um editor gráfico de fácil utilização. Nele, o empresário escolhe, entre dezenas de modelos, o mais adequado ao seu ramo de atividade. Após criar sua marca, é possível personalizar todo o material de papelaria da organização, e a Zocprint imprime a quantidade desejada.
Ganhos de escala. Leal conta que consegue atender a pequenos pedidos com bom preço, porque agrega solicitações de todo o Brasil, o que otimiza o processo de produção e reduz os custos. “Assim, ganhamos escala e repassamos os serviços a um custo muito interessante para o pequeno negócio.”
Em breve, a gráfica vai oferecer uma ferramenta virtual para o empreendedor montar seu site, além de um serviço para ajudá-lo a fazer campanhas de divulgação por e-mail.
Outra empresa foi criada há dois anos para atender especialmente aos pequenos: a BCP PME, especializada em desenvolvimento organizacional e recursos humanos (RH).
Segundo o diretor Danilo Nascimento, esses empresários têm adquirido mais consciência sobre o papel estratégico do RH, como vantagem competitiva. Nascimento avalia que, com o bom momento econômico, houve expressivo aumento na concorrência entre as PMEs, e a principal fonte de diferenciação e de vantagem competitiva delas são as pessoas.
“É a área de recursos humanos que vai dar suporte para o desenvolvimento do negócio. Afinal, não basta ter uma excelente ideia ou estratégia se não tem quem possa executá-las.”
O gerente de novos negócios da ZipCode, empresa que oferece serviços na área de banco de dados de clientes do comércio, Arthur Guitarrari, afirma que as MPEs formam o alicerce da empresa. “Nós nunca restringimos nosso atendimento às grandes. Acreditamos que foi essa pulverização que garantiu a sobrevivência da ZipCode ao longo desses dez anos de atuação.”
Se atender às pequenas tem sido bom negócio para a ZipCode, ser cliente dela foi importante para o escritório jurídico e de cobranças Coppola, Dutra Rodrigues e Gago Barbosa Advogados. Segundo o gerente comercial da banca, Marcio José de Oliveira, a ZipCode foi contratada há um ano e meio porque o escritório necessitava aumentar e enriquecer seu banco de dados cadastrais. Para ele, houve um ganho com a parceria.
“Temos a melhor efetividade de negociação com os inadimplentes em termos de Brasil”, afirma o gerente.
Segundo Guitarrari, é importante que os pequenos empreendedores tenham consciência de que um banco de dados de clientes organizado é um dos principais ativos de uma empresa.
O consultor do Sebrae lembra, porém, um ponto que dificulta a vida do pequeno empreendedor: ele não tem poder de negociação por comprar em quantidade reduzida. “Esse quadro faz a empresa perder competitividade.” Segundo Neto, empresários do mesmo segmento estão se juntando, sob um nome fantasia, para negociar em grupo e ganhar competitividade e poder de negociação.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: