Dan Koeck para The New York Times
Dan Koeck para The New York Times
Imagem Coluna do Broadcast Agro
Colunista
Coluna do Broadcast Agro
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Armazenagem de grãos cresce em 2020, mas aquém do necessário

Estrutura para estocagem avançou 5 milhões de toneladas neste ano, ante 4 milhões nos dois anos anteriores, mas não deu conta da produção recorde da safra 2019/20

Coluna do Broadcast Agro, O Estado de S.Paulo

28 de dezembro de 2020 | 06h59

A capacidade instalada de armazéns e silos de grãos no País cresceu mais em 2020 do que nos dois últimos anos, mas não deu conta da produção recorde da safra 2019/20, conta Piero Abbondi, diretor presidente da Kepler Weber, companhia líder no segmento. A estrutura para estocagem avançou 5 milhões de toneladas, em torno de 2% em 2020, ante 4 milhões em 2018 e 2019, estimulada por vários fatores. Entre eles, dólar valorizado, alta dos contratos futuros de milho e soja na Bolsa de Chicago, forte demanda externa por carnes e grãos, além de volume maior de recurso e juros mais baixos em linhas de crédito para armazenagem. "Foi um ano muito bom", reforça. "Mas, considerando que na safra 2019/2020 a produção cresceu em torno de 10 milhões de toneladas, a indústria colocou no mercado metade disso em capacidade extra", observa.

Vem mais

A perspectiva de contínua demanda internacional, aumento da produção no ciclo 2020/2021, taxas de juros atrativas e o estágio avançado da comercialização de soja e milho que ainda serão colhidos levam Abbondi a crer que 2021 será um ano ainda melhor. Sem traçar estimativa, ele diz que se a capacidade adicional de estocagem chegasse a 6 milhões de toneladas, representaria incremento de 3%, "significativo", avalia.

Preparativos 

O executivo da Kepler Weber conta que o plano de investimentos para 2021 está sendo finalizado, com montante superior ao de 2020. Os números deste ano serão divulgados em fevereiro, mas Abbondi sinaliza avanço ante 2019, quando a empresa investiu R$ 13,2 milhões. A Kepler espera suprir uma maior demanda em 2021 e, por isso, dará prioridade a modernização de plantas, aumentos pontuais de capacidade e novas tecnologias. Ampliações mais robustas da produção, talvez em 2022.

Retomada

A pandemia levou empresas do agronegócio, alimentos e bebidas a investir mais em tecnologias digitais em 2020 e a tendência para 2021 é manter ou aumentar aportes, aponta a pesquisa Agenda 2021, da Deloitte. O levantamento envolveu 53 empresas do agro, de um total de 663 de diversos setores. Entre aquelas, 84% pretendem modernizar ou substituir maquinário; 52% planejam ampliar fábricas ou áreas agrícolas e 30% abrirão mais unidades.

Novos tempos

A maior aproximação do setor com o mundo digital, com vendas online feitas por 40% das entrevistadas pela Delloite em 2020, também levará 88% delas a criar ou aumentar treinamentos para lidar com novos modelos de negócios; 24% manterão funcionários com uma ou outra substituição por profissionais mais qualificados e 42% devem aumentar seu quadro, recompondo postos cortados na crise.

Caminhão na mão 

Também na contratação de frete, empresas do agro ampliaram o uso de tecnologia e de serviços online. O Freto, uma das marcas do grupo Edenred Brasil, viu seus negócios crescerem 50% em 2020, sustentados em boa medida pelo setor, já que a soja foi o principal produto movimentado. Os negócios com agro subiram quase 50%, diz Thomas Gautier, head do Mercado Rodoviário da Divisão de Frota e Soluções de Mobilidade da Edenred Brasil.

Ponte 

Pela plataforma, empresas informam o produto a ser entregue, o volume e o valor que pretendem pagar pelo serviço. Transportadores cadastrados apenas clicam na oferta para aceitar a carga. Na ativa há 18 meses, a ferramenta online reúne mais de 100 mil caminhoneiros e movimenta 150 mil toneladas por dia. Das cargas do agro, de 60% a 70% são de soja.

Abre alas 

O governo de São Paulo se prepara para inaugurar, no primeiro semestre de 2021, seu escritório em Munique, na Alemanha - o terceiro voltado a fomentar negócios, depois do de Xangai, na China, em atividade desde agosto de 2019, e do de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, de fevereiro de 2020. Na Alemanha, o foco será o possível acordo entre União Europeia e Mercosul, explica Gustavo Junqueira, secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado. "Temos de entender as demandas do cliente europeu, que representa 17% das importações globais. Discussões ambientais devem estar na pauta de forma inteligente."

Agro, sobretudo 

Os escritórios não são dedicados exclusivamente ao agronegócio, mas os produtos do setor são a espinha dorsal de sua atuação. A proposta é abrir caminho para empresas médias, para as quais não justificaria ter local próprio nesses países. Produtos como carnes, sucos, comidas prontas e etanol poderiam ganhar espaço entre os europeus, a quem o governo paulista pretende destacar os projetos ambientais no Estado. "Queremos mostrar como Brasil e São Paulo de fato fazem sua produção e, com isso, aumentar as exportações", diz Junqueira.

No embalo 

A Búfalo Dourado, fabricante de queijos de leite de búfala, vê forte potencial de crescimento de burratas no food service e em supermercados e vai apostar no produto em 2021. A previsão é de que a participação do queijo nas vendas da empresa aumente de 30% em 2020 para mais de 40% no próximo ano. Já a expectativa para a produção é de aumento de 50% na comparação anual, para cerca de 1 milhão de unidades fabricadas em 2021. / CLARICE COUTO e JULLIANA MARTINS 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.