NILTON FUKUDA / AE
NILTON FUKUDA / AE
Imagem Coluna do Broadcast Agro
Colunista
Coluna do Broadcast Agro
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Auxílio emergencial ajuda nos resultados da Unium

Aumento no consumo de leite no primeiro semestre impulsionou aumento de 10% na captação da matéria-prima

Leticia Pakulski, Clarice Couto e Isadora Duarte, O Estado de S.Paulo

07 de setembro de 2020 | 07h20

O auxílio emergencial pago pelo governo favoreceu o consumo de leite no primeiro semestre e a Unium deve fechar o ano com aumento de 10% na captação da matéria-prima. Até o fim do ano espera concluir investimento de R$ 3,7 milhões em armazenagem do produto in natura em Castro (PR) e aumentar a capacidade de recepção para até 2,9 milhões de litros por dia. “Temíamos o efeito da crise econômica, mas o consumo de leite cresceu e os preços são favoráveis ao produtor”, diz Willem Berend Bouwman, diretor presidente da Castrolanda e um dos diretores da Unium. A holding é formada pela atuação conjunta de Capal, Castrolanda e Frísia. Para o segundo semestre, a preocupação é até quando vai o benefício. “A força do consumo está relacionada ao auxílio governamental. Esperamos que a economia continue girando”, diz Bouwman.

Alternativa

Também em Castro (PR), a Unium concluiu investimento de R$ 100 milhões para desidratar até 600 mil litros de leite/dia. A estrutura é estratégica porque, quando há excesso de matéria-prima, garante a transformação em leite em pó e abre a possibilidade de exportar. “Estamos buscando a habilitação para a China”, diz Bouwman. Hoje toda a produção da Unium fica no mercado interno.

Diversifica

 Já para carne suína, o mercado externo vem ampliando a participação no faturamento. Se no ano passado as vendas externas representavam 30% da receita da Unium no segmento, neste ano o porcentual chega a 45%. A holding embarca o produto para 30 países, com abate de 3.500 animais por dia.

Sem banco 

A fintech Astana Pay começa a oferecer serviços financeiros ao setor pecuário, acompanhando a tendência de demanda por soluções mais ágeis que as dos bancos. A empresa comprou a Ideal Automation, que detém um banco de dados na área pecuária, e passa a operar com 50 fazendas de dez Estados, que terão acesso por aplicativo a soluções como folha de pagamento, cartão de crédito pré-pago, geração de boletos e conta. Com a possibilidade de identificar quem são os fornecedores dos clientes, vê potencial para movimentar até R$ 300 milhões/ano.

Ponte

Em parceria com a securitizadora Reit, a Astana oferecerá R$ 30 milhões em crédito, valor que atenderia, segundo Alberto Barbo, o CEO, seis confinamentos do grupo. No projeto-piloto, a Reit vai estruturar a operação necessária à captação dos recursos e a Astana será o meio pelo qual os pecuaristas receberão o dinheiro.

Nem tão longe

 A israelense Agritask expande operações por aqui, de olho na demanda por gestão remota de propriedades rurais. Amir Szuster, vice-presidente de Vendas e Novos Negócios, conta que a área atendida pela plataforma deve chegar a 1,2 milhão de hectares ao fim deste semestre, dos atuais 650 mil hectares. “A receita deve crescer entre 40% e 50% ante o obtido em 2019”, prevê. Além da sede em São Paulo, a companhia conta com escritório em Mato Grosso e planeja base no oeste da Bahia.

Nem tão perto

A empresa atende a grandes do setor agrícola, como Grupo Bom Jesus, Grupo Itaquerê e Yoki. Mas são as seguradoras rurais que devem puxar parte do crescimento da Agritask, segundo Szuster. A procura pelos serviços nesse segmento se acelerou com a pandemia. “Com a ferramenta, todo o processo de análise de perdas e monitoramento de riscos é feito de forma remota”, explica.

Em pauta

Com os fertilizantes organominerais ganhando terreno, a SuperBac prevê vender 30% mais do insumo neste ano. “O agricultor tem buscado inovação ‘verde’ para ganhar produtividade”, diz Mozart Fogaça, vice-presidente de Negócios e Marketing da fabricante. Além de soja, milho e cana-de-açúcar, a empresa planeja atuar também com trigo e café.

No horizonte

SuperBac deve encerrar o ano com aumento de 28% na produção a partir da unidade de Mandaguari (PR). “Hoje, a capacidade instalada permite ampliar a produção até 2022”, conta. Depois desse ciclo, o plano é construir uma planta no Paraná que deve entrar em operação até 2023.

Avante

Jasmine Alimentos projeta fechar o ano com crescimento de 20% nas vendas. “Após a pandemia, percebemos maior busca por alimentação saudável”, diz Rodolfo Lourenço, diretor de Inovação e Transformação. A empresa também fechou parceria com a Amazon para ampliar a venda online. Neste 2.º semestre, entrou no nicho de carne vegetal e prepara dois lançamentos de pães sem glúten.

Pegando fogo

A campanha de entidades ambientais contra o presidente Jair Bolsonaro e o desmatamento na Amazônia, “defundbolsonaro” (não financie Bolsonaro), recebeu críticas de grupos do agronegócio no WhatsApp. “É campanha pessoal contra Bolsonaro, não contra o País”, ameniza um deles sobre o vídeo que diz que “Bolsonaro permite” queimadas na região.

Correção

Na coluna publicada na semana passada, o fertilizante siltito glauconítico foi incorretamente descrito como um composto fosfatado. Na verdade, o adubo tem potássio na sua composição.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.