Leonardo Soares/Estadão
Leonardo Soares/Estadão

China retoma importação de carne bovina brasileira

Suspensão dos embarques havia sido adotada voluntariamente pelo Brasil em setembro após a identificação de dois casos atípicos de 'mal da vaca louca'

Sandy Oliveira, O Estado de S.Paulo

15 de dezembro de 2021 | 08h30
Atualizado 15 de dezembro de 2021 | 14h59

A Administração-Geral de Alfândegas da China (Gacc, na sigla em inglês) anunciou nesta quarta-feira, 15, que liberou a importação de carne bovina do Brasil. Em nota, o Ministério da Agricultura brasileiro informou que a certificação do produto e os embarques serão retomados já a partir desta quarta.

No início de setembro, o Brasil suspendeu voluntariamente os embarques para os chineses, por causa de dois casos atípicos do "mal da vaca louca", identificados em frigoríficos de Nova Canaã do Norte (MT) e de Belo Horizonte (MG). A suspensão seguiu o protocolo sanitário que consta no acordo comercial entre os dois países. Entretanto, a carne que já estava nos portos em direção à Ásia continuou a ser exportada, até parte dela ser barrada pela alfândega chinesa. 

O protocolo sanitário prevê a normalidade das negociações após investigação dos casos por um laboratório internacional, como foi feito pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) no Canadá.

O Brasil é o principal fornecedor de carne bovina para a China, atendendo cerca de 40% de suas importações, e os compradores esperavam inicialmente que o comércio fosse retomado em algumas semanas.

No mês passado, a Gacc anunciou que aceitaria pedidos de importação de carne bovina brasileira que tivessem certificado sanitário anterior a 4 de setembro, ou seja, antes do embargo voluntário do Brasil.

Os governos dos dois países estavam em negociações para resolver o assunto, uma vez que o embargo reduziu praticamente pela metade os embarques do Brasil. As importações de carne bovina da China aumentaram nos últimos anos, alimentadas pela crescente demanda por carne de uma classe média cada vez mais abastada. 

Retomada imediata

A Minerva, líder na América do Sul na exportação de carne bovina, informou, por meio de comunicado ao mercado, que a retomada das operações de abate e produção de carne bovina dedicada ao mercado chinês tem início imediato. "Considerando as nossas plantas estrategicamente diversificadas na América do Sul, nossa exposição para o mercado chinês alcança 7 unidades produtivas com capacidade de abate de aproximadamente 10 mil cabeças de gado/dia, sendo 3 plantas no Brasil, 3 plantas no Uruguai e 1 planta na Argentina", dise a companhia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.