Germano Rorato/Estadão - 24/8/2018
Germano Rorato/Estadão - 24/8/2018
Imagem Coluna do Broadcast Agro
Colunista
Coluna do Broadcast Agro
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Cibra prepara expansão no setor de adubos no País

Empresa planeja entregar 1,7 milhão de toneladas de adubos este ano, atraindo mais clientes por meio do e-commerce

Clarice Couto, Tânia Rabello, Isadora Duarte e Leticia Pakulski, O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2020 | 11h43

A Cibra Fertilizantes investirá US$ 80 milhões para surfar no mercado crescente de adubos. Vai ampliar a estrutura e atrair clientes por meio do e-commerce, tendência também no setor de insumos agrícolas. Hoje tem uma unidade de produção, nove misturadoras e um centro de distribuição. “São diversos projetos de ampliação - as obras começam no ano que vem - e temos buscado locais para construção ou adquirir plantas já existentes”, conta Santiago Franco, CEO da Cibra.

A maior capacidade dará condições à empresa de atingir até 3 milhões de toneladas de adubos entregues no Brasil em cinco anos. Para 2020, a projeção é de 1,7 milhão de toneladas. De janeiro a maio, a Cibra entregou 50% mais, enquanto o mercado cresceu 8% a 9%, segundo Franco. O executivo espera que a participação no mercado, de 5%, chegue a 10% em cinco anos. A Cibra prevê faturar ao menos R$ 2,5 bilhões em 2020. 

Online

Um dos projetos já está em vigor: uma loja online, de olho nos pequenos e médios produtores. A companhia chegou a criar uma startup para concretizar a ideia. “A expectativa de ampliar nossa base de clientes é grande”, diz Franco. A expansão física da Cibra se dará no Estado de São Paulo, onde ainda não atua, e no Norte/Nordeste - no Tocantins e no Maranhão, onde atua, mas ainda tem pouca presença.

Vitrine

O principal produto para tentar ganhar mercado será um novo fertilizante, Poly4, misto de potássio, cálcio, magnésio e enxofre, que sairá da planta química da Anglo American em construção na Inglaterra. A mineradora britânica detém 30% de participação na Cibra, controlada pela norte-americana Ominex, do Texas. A Anglo aposta na Cibra para garantir vendas de 25% do Poly4. O produto deve chegar ao Brasil em até dois anos.

Não quero

Bancos privados não se animaram com a possibilidade de conceder crédito rural com taxas subsidiadas, trazida com a Lei 13.986. “Não preciso de subsídio com Selic a 2,25%. Por que aceitaria mais controle do governo se posso oferecer praticamente a mesma taxa e operar como quiser?”, resume uma fonte do setor. Outro interlocutor acrescenta que, “além de se submeter a mais regras, as instituições teriam de fazer mais investimentos”.

Sem crise

O Grupo Mantiqueira, maior produtor de ovos do País, vai aplicar R$ 50 milhões este ano em “granjas 4.0”, com tecnologias voltadas a tendências inovadoras na criação comercial, que privilegiam o bem-estar animal. Quem conta é Leandro Pinto, presidente do grupo. “Para o ano que vem, aplicaremos mais R$ 50 milhões nessa linha”, diz. As granjas estão em Lorena e Cabrália Paulista (SP).

Na onda

Mas o isolamento social, imposto pela covid-19, atrasou por 60 dias as obras tocadas pela Mantiqueira. Já as vendas de ovos surpreenderam, diz Pinto. “Houve uma explosão de consumo da segunda quinzena de março até a primeira de abril, pois o ovo é uma proteína barata e que não depende de refrigeração”, diz. “Agora, o consumo voltou ao normal.” A produção do grupo deve crescer 4% em 2020, para 2,5 bilhões de ovos.

Céu de brigadeiro

A Perfect Flight, startup de monitoramento e gestão de pulverização aérea, está indo de vento em popa. Até o fim da safra 2019/2020, a plataforma deve processar o dobro da área do ciclo passado, com 4,5 milhões de hectares monitorados. O faturamento deve crescer entre 35% e 40%, para cerca de R$ 4 milhões. “O produtor vê no software um aliado para fazer a melhor aplicação dos insumos, sem desperdício”, explica Leonardo Luvezuti, diretor de negócios da empresa. Focada em grãos, fibra e cana-de-açúcar, a agtech atende a grandes do setor como SLC Agrícola, Raízen e Tereos.

Bons voos

Para a safra 2020/2021, que começa no mês que vem, a Perfect Flight estima cobertura de 8 milhões de hectares e receita de R$ 7,5 milhões. O incremento virá de operações de monitoramento em tempo real e pulverização localizada por drones. Em 2021, a empresa deve começar a vender para os Estados Unidos e mercados da América Latina. 

Em alta

A demanda por frete rodoviário do agro subiu 8,2% de janeiro a maio ante igual período de 2019, ante incremento de 5,3% vindos da indústria e varejo, aponta o Índice de Frete e Pedágio Repom (IFPR), da empresa de soluções para gestão de frotas Repom, pertencente ao grupo Edenred Brasil. Só em maio, o crescimento no agro chega a 21,2%, enquanto indústria e varejo, mais afetados pela pandemia, tiveram recuo de 4,6%.

Base firme

O diretor de Mercado Rodoviário da Edenred Brasil, Thomas Gautier, avalia que o agronegócio vem de um cenário sólido, com safra de verão robusta, estabilidade logística e exportação de grãos aquecida. “Esses fatores possibilitaram que o frete continuasse forte no segmento”, diz. O levantamento analisou 1,5 milhão de viagens de janeiro a maio deste ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.