Essere Group
Essere Group
Imagem Coluna do Broadcast Agro
Colunista
Coluna do Broadcast Agro
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Essere Group, de insumos agrícolas, prevê faturar  primeiro bilhão em 2024

Expectativa era de atingir a marca em 2025, mas, somente este ano, a empresa projeta faturar R$ 715 milhões, 103% mais ante 2021

Isadora Duarte, Clarice Couto, Sandy Oliveira e Leticia Pakulski, O Estado de S.Paulo

04 de julho de 2022 | 05h00

Essere Group, de insumos agrícolas, vê avanço na demanda por seus produtos e quer alcançar o primeiro bilhão de reais em faturamento até 2024. A expectativa era de atingir a marca em 2025, mas, somente este ano, a empresa projeta faturar R$ 715 milhões, 103% mais ante 2021. O bom desempenho da Loyder, de fertilizantes aditivados e que deve representar 50% da receita da holding, puxou a antecipação da meta, conta Luiz Fernando Schmitt, diretor de Marketing e Novos Negócios. “Novas tecnologias em biológicos e maior fatia de mercado em adubos especiais também contribuem”, diz. O Essere controla ainda a Kimberlit Agrociências, de fertilizantes especiais; a Bionat Agro, de defensivos biológicos, e a Floema Logística.

IPO segue nos planos

Grupo de controle familiar, o Essere mantém no radar o plano de abertura de capital (IPO) para meados de 2025. “Vemos como uma boa ferramenta para ampliação do grupo em nova rodada de crescimento, de 2025 a 2030, o que vai exigir mais aportes”, antecipa Schmitt.

Investimento sustenta expansão

Para atender à demanda, a holding vem aumentando sua capacidade produtiva. Neste ano, concluiu aporte de R$ 50 milhões em uma planta da Loyder, destinou R$ 21 milhões para ampliar a equipe comercial e vai aplicar, até o fim do ano, R$ 40 

milhões na produção da Bionat. Mais fábricas da Loyder estão previstas até 2025.

 COLATERAL. Os Depósitos Interbancários (DIR), operação feita entre instituições financeiras para cumprir regras de crédito rural, devem crescer na safra 2022/23, avalia Renato Naegele, vice-presidente de Agronegócios do Banco do Brasil. Isso porque, no novo Plano Safra, do dinheiro referente aos 25% de depósitos à vista que bancos são obrigados a direcionar ao crédito rural, a parcela dirigida ao programa da agricultura familiar (Pronaf) passará de 22% para 25%, e ao Pronamp (médios produtores), de 28% para 35%.

AVISADO. A federação dos bancos (Febraban) já havia alertado sobre a dificuldade das instituições de emprestar diretamente todo o dinheiro, sem lançar mão do DIR, tendo em vista que os depósitos à vista têm aumentado. Com o DIR, elas transferem a outros bancos com maior capilaridade o montante necessário para cumprir os porcentuais de Pronaf e Pronamp. Até janeiro, segundo dados do Banco Central, cerca de R$ 20 bilhões giraram por DIR.

 

LEQUE MAIOR. A ICC, que produz insumos para nutrição e saúde animal à base de leveduras de cana-de-açúcar, pretende faturar R$ 1 bilhão até 2026, principalmente com a ampliação de parcerias com usinas sucroalcooleiras, fornecedoras de matéria-prima. Glycon Santos, CEO da ICC, conta que a companhia tem conquistado pelo menos duas usinas parceiras por safra, com cada uma delas fornecendo entre 4 mil e 7 mil toneladas de levedura. “A expectativa é de avanço anual em torno de 15%”, diz.

EXPANSÃO ORGÂNICA. Outra vertente de crescimento baseia-se na ampliação de estruturas próprias da ICC. Recentemente, inaugurou em Jundiaí (SP) sua segunda fábrica de insumos, com investimento de R$ 15 milhões. “Vamos dobrar nossa capacidade com essa nova planta, que produzirá 140 toneladas por dia”, comenta Santos. A outra unidade da empresa situa-se em Macatuba, também em São Paulo.

 RETORNO. O programa Soya Recicla, da Bunge, atingiu a marca de 7 milhões de litros coletados de óleo de cozinha usado no Brasil desde 2006, quando foi criado. Em 2021, foram 250 mil litros e, de janeiro a maio deste ano, outros 80 mil. Atualmente, cerca de 90% do óleo coletado e posteriormente reciclado é destinado para produção de biodiesel, diz Pamela Moreira, gerente de Sustentabilidade e Planejamento Comercial da Bunge.

Plano Safra 2022/2023 da Caixa fica para depois

Após intensa campanha promovendo a Caixa para o setor agro, seu agora ex-presidente Pedro Guimarães pediu demissão no dia do anúncio do Plano Safra 2022/23, por denúncias de assédio sexual. Seria a data de coroação do executivo, com a divulgação das medidas do banco, que foi cancelada. Ocorreu apenas uma apresentação interna, sem detalhes sobre a safra.

Conab pode confirmar segunda safra de milho maior

A Conab divulga no dia 7 o seu 10.º levantamento da safra de grãos 2021/22, que pode trazer uma segunda safra de milho maior. Na sexta-feira (1.º), a consultoria StoneX elevou sua estimativa para 

90,7 milhões de toneladas (+2,7%). Em 21 de junho, a Agroconsult também aumentou sua projeção, para

89,3 milhões de toneladas.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.