Divulgação/Credicitrus
Divulgação/Credicitrus
Imagem Coluna do Broadcast Agro
Colunista
Coluna do Broadcast Agro
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Credicitrus amplia número de agências apostando em avanço acelerado em 2022

Maior cooperativa de crédito do Brasil põe em prática plano de expansão física após incorporar estrutura da Credicoonais

Clarice Couto, Isadora Duarte e Augusto Decker, O Estado de S.Paulo

08 de novembro de 2021 | 05h00

A paulista Credicitrus, maior cooperativa de crédito do Brasil, põe em prática seu plano de expansão física após incorporar neste ano toda a estrutura da Credicoonai, de Franca (SP), com 38 postos de atendimento e 50 mil associados. Com tais unidades remodeladas e recadastramento dos cooperados, está abrindo mais cinco agências em São Paulo, Minas e Mato Grosso do Sul, fechando o ano com 120, conta Walmir Segatto, o CEO. O plano desenhado antes da pandemia prevê mais de 50 novas unidades, 5 a 7 por ano, em municípios com vocação rural no Sudeste, e nos Estados de Goiás, Paraná e Mato Grosso do Sul. “Temos seis modelos de agências, como escritório de negócios, shopping e convencional”, diz.

Pronta para a retomada

A Credicitrus deve fechar 2021 com carteira de crédito de R$ 4,1 bilhões, +5% ante 2020, sendo R$ 1,5 bilhão para produtores. Para 2022, espera alta de até 18%, resultado que pode ser turbinado por novos cooperados. “O agro deve ter o maior peso no resultado”, diz Segatto.

Cooperativismo versus Selic em alta

O CEO da cooperativa de crédito diz ter taxas de juros de mercado um pouco mais baixas do que as de bancos privados porque, entre outras razões, os associados aceitam receber menos sobras (lucro) em troca de melhores condições. A Selic saiu de 2,25% há um ano para 7,75% hoje e deve seguir subindo. 

A CONTA FECHA. Os preços remuneradores do etanol permitiram à FS, principal produtora brasileira do biocombustível à base de milho, manter sua lucratividade mesmo com o aumento de custos. “As commodities estão subindo em todo o mundo, tanto as agrícolas quanto o petróleo e a gasolina. Então conseguimos preservar as margens”, diz Rafael Abud, CEO da companhia.

UM COMPENSA O OUTRO. Os custos da FS com insumos aumentaram porque no mercado externo há gargalos no suprimento de fertilizantes e defensivos usados no plantio do milho. As cotações do milho também estão em alta porque a seca prejudicou a safra brasileira. O que dá sustentação é o etanol, também valorizado por acompanhar a alta da gasolina e porque a safra de cana no Brasil foi menor este ano.

CAIXA LIVRE. Com o encarecimento do transporte, a GoFlux, plataforma de contratação de frete rodoviário, passou a financiar até 50% do valor do frete voltado a transportadoras antes do carregamento da carga. A outra metade pode ser antecipada após a entrega. Lucas Castellani, gerente de produtos financeiros, diz que o objetivo é movimentar cerca de R$ 1 bilhão nessas modalidades em 2022.

INVESTE E CRESCE. A logtech recebeu aporte recente de R$ 6 milhões para aplicar em blockchain para operações financeiras na plataforma e em outras tecnologias. Prevê negociar R$ 2,5 bilhões em fretes até o fim do ano, o que representa em torno de 1,3% do mercado brasileiro. A meta da GoFlux é dobrar o resultado em 2022. Hoje, possui cerca de 1,5 mil transportadoras conectadas à plataforma.

TEAM TECH. Trinta e uma empresas, de startups a multinacionais do agronegócio, das telecomunicações e de energia, passarão a integrar ainda este mês a Associação ConectarAGRO. Gregory Riordan, presidente da associação, diz que a meta é levar maior cobertura de banda larga para áreas rurais. Ele ainda faz segredo sobre os nomes das empresas.

CAMPO SOLAR. O Sicredi viu a carteira para equipamentos de energia solar crescer 110% no último ano e superar R$ 3,5 bilhões. Só no Paraná, em agosto, a instituição, com forte atuação no agro, liberou mais de R$ 256 milhões em 5,3 mil operações. A Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) estima que a geração de energia fotovoltaica distribuída no País deve sair de 4,4 para 8,3 gigawatts em 2021.

Restrição russa deve elevar preço dos nitrogenados

A recente restrição das exportações de adubos nitrogenados pela Rússia deve inflacionar os preços do insumo no Brasil. Para Marcello Mello, diretor de fertilizantes da consultoria StoneX, não há risco de desabastecimento, mas o custo do produto para lavouras de milho safrinha, cana e café vai aumentar.

Mais agro brasileiro no Sudeste Asiático

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) abre oficialmente na quarta-feira (10) seu primeiro escritório em Cingapura. “Queremos acessar os mercados da Tailândia, Indonésia, Malásia, Vietnã, chegando até a Índia”, conta Lígia Dutra, diretora de Relações Internacionais da entidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.