Neco Varella/Estadão
Neco Varella/Estadão
Imagem Coluna do Broadcast Agro
Colunista
Coluna do Broadcast Agro
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Demanda por biológicos impulsiona Novozymes

Em três safras, empresa registra 3,5 milhões de hectares tratados no Brasil com seus produtos não químicos

Isadora Duarte, Clarice Couto, Augusto Decker, O Estado de S.Paulo

30 de agosto de 2021 | 05h00

A dinamarquesa Novozymes, líder global em soluções biológicas, prevê que a divisão agrícola feche 2021 com faturamento 86% maior no Brasil. O mercado como um todo deve crescer 29%. No primeiro semestre, a receita com vendas de inoculantes e biodefensivos da Novozymes subiu 64%. “A expectativa considera os pedidos já contratados para aplicação na safra 21/22 que serão entregues e faturados no segundo semestre”, explica Maximiliano D’Alessio, diretor de operações na América Latina. Em 2020, a receita global foi de cerca de US$ 450 milhões – 30% no Brasil. Este ano, a meta é chegar aos 50%. O preço remunerador da soja, que perfaz 80% a 85% das vendas, é o principal fator de impulso, além da maior demanda por insumos sustentáveis. Com o avanço, a empresa espera alcançar no fim do ano participação de mercado de 12%, ante os atuais 10%.

Reforço

O melhor desempenho da Novozymes no País também deve vir de uma atuação mais forte no Centro-Oeste, com maior presença nas revendas de insumos agrícolas. Na região, estima que detém 12% de mercado e prevê encerrar a safra com 13%. Hoje, a empresa trabalha com 800 redes de distribuidores e projeta alcançar 1 mil até o fim do ano. A mais recente parceria foi fechada com a Fiagril, que atua em Mato Grosso, Tocantins e Amapá.

Inova

D’Alessio conta que o aporte da Novozymes na safra 2021/22 foi para a criação de uma tecnologia que torna os seus biológicos compatíveis com o uso de químicos. A companhia investe 10% de sua receita anual em pesquisa e desenvolvimento no País. Um quarto das vendas deve vir de quatro novos produtos inseridos no portfólio este ano. Para as próximas safras, o foco está também em parcerias com fabricantes de insumos químicos para comercialização de sua biotecnologia. Há negociações em andamento com FMC, Syngenta e UPL, revela o executivo.

 

Aposta...

Também no segmento de defensivos biológicos, a AgBiTech, presente há cinco anos no Brasil, está colocando suas fichas no comércio online para impulsionar os negócios. A empresa de origem australiana que hoje tem sede nos Estados Unidos acaba de entrar no marketplace Agrofy, um dos maiores do setor no País, e espera transacionar US$ 1,6 bilhão por este canal em cinco anos.

...virtual

Com forte atuação em biolagarticidas para controle da lagarta-do-cartucho, que ataca lavouras de milho, e liderança no segmento para as culturas de milho e soja, a AgBiTech prevê a partir de 2022 ampliar sua base de clientes em 20%, diz Murilo Moreira, diretor de marketing. Em três safras, a empresa contabiliza 3,5 milhões de hectares tratados no Brasil com seus produtos não químicos.

Inversão

De imediato, o executivo celebra o crescimento de 113% do mercado de biolagarticidas para milho na safra 2020/21, com US$ 2,9 milhões movimentados, enquanto o de inseticidas como um todo para lagartas do milho encolheu 20%, para US$ 127,5 milhões. A área de milho tratada com biolagarticidas aumentou 495%, para 415,5 mil hectares, segundo dados levantados pela Spark Inteligência Estratégica, que apontaram a participação de 31% da AgBiTech no segmento.

Sacas...

A trading Timbro vai aceitar pagamento de aeronaves por meio de barter, ou seja, com a entrega de produtos agrícolas em troca do bem. A empresa, que também exporta commodities, viu aumentar em 40% a procura por aeronaves no primeiro semestre, da qual 80% de clientes do agronegócio. Philipe Figueiredo, diretor comercial de Aviação conta que há expectativa de fechar 2021 com mais de 30 aeronaves importadas, das quais 75% para o agro e 10% por barter.

...por jato

A boa performance do agro tem sustentado a demanda por helicópteros, aeronaves executivas, como jatos, e em menor proporção, aeronaves agrícolas, diz Figueiredo. O agronegócio deve impulsionar os resultados de Aviação da Timbro, que espera uma maior participação do setor na importação de aeronaves (75% contra 60% do ano passado). O peso desta atividade no faturamento da trading, por sua vez, deve aumentar de 5% em 2020 para 8% em 2021 e 12% em 2022.

Crédito

Nos seus 12 primeiros meses de operação, a partir do início em julho de 2020, a agrofintech Creditares aprovou R$ 50 milhões para produtores rurais. A meta para 2022 é alcançar R$ 380 milhões e, em 2023, R$ 1 bilhão. Sonhar alto é perfeitamente possível, segundo o CEO da companhia, José Corral, lembrando que esse valor corresponde a 5% do mercado em Mato Grosso, nicho para a Creditares.

Oportunidades. A Creditares usa o open banking, que permite que instituições financeiras compartilhem dados e histórico do cliente se ele autorizar. "Queremos que o produtor possa escolher (a melhor oportunidade)", diz Corral. A empresa, selecionada para participar do programa Lift, do Banco Central, que fomenta inovações para o sistema financeiro nacional, está em rodada de captação para lançar uma nova plataforma até o fim do ano. 

Tudo o que sabemos sobre:
agronegóciosojacrédito

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.