Wenderson Araújo/ CNA - 10/11/2020
Wenderson Araújo/ CNA - 10/11/2020

Estoque de produtos agrícolas cresce 31% na comparação anual e chega a 36,7 milhões de toneladas

Capacidade útil disponível no País para armazenamento agrícola foi de 183,3 milhões de toneladas, 1,5% maior do que no semestre anterior

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2022 | 12h11

RIO - O estoque de produtos agrícolas no País totalizou 36,7 milhões de toneladas em 31 de dezembro de 2021, segundo a Pesquisa de Estoques divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira, 8. Em relação ao mesmo período de 2020, houve alta de 31,1%.

Houve acréscimos nos estoques de soja (81,4%), trigo (40,5%), arroz (45,4%) e milho (20,3%) no segundo semestre de 2021 em relação ao segundo semestre de 2020. Por outro lado, o estoque de café recuou 16,0%.

Esses produtos somam 94% do total estocado entre os produtos monitorados pela pesquisa, enquanto que os 6% restantes são compostos por algodão, feijão preto, feijão de cor e outros grãos e sementes.

Os estoques de milho representaram o maior volume, 16,9 milhões de toneladas, seguidos pela soja (7,7 milhões), trigo (6,4 milhões), arroz (2,4 milhões) e café (1,1 milhão).

A capacidade útil disponível no Brasil para armazenamento agrícola foi de 183,3 milhões de toneladas em estabelecimentos ativos no segundo semestre de 2021, 1,5% maior do que o resultado do semestre anterior.

O número de estabelecimentos ativos foi de 8,197 mil locais, um acréscimo de 1,2% ante o primeiro semestre de 2021. Houve aumento no número de estabelecimentos nas regiões Norte (3,8%), Centro-Oeste (1,8%) e Sul (1,3%), enquanto houve perdas no Sudeste (-0,1%) e Nordeste (-0,4%).

O Rio Grande do Sul possui o maior número de estabelecimentos de armazenagem (2.159), seguido do Mato Grosso (1.397) e Paraná (1.340). Mato Grosso tem a maior capacidade de armazenagem do País, com 45,5 milhões de toneladas.

Quanto à capacidade útil armazenável, os silos somaram 92,5 milhões de toneladas no segundo semestre de 2021, o que representa 50,4% da capacidade útil total.

Os armazéns graneleiros e granelizados atingiram 68,6 milhões de toneladas de capacidade útil armazenável, 37,4% de toda a armazenagem nacional, e os armazéns convencionais, estruturais e infláveis somaram 22,3 milhões de toneladas, uma fatia de 12,2% da capacidade total do País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.