Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Morgan Ione Yeager / NYT
Morgan Ione Yeager / NYT
Imagem Coluna do Broadcast Agro
Colunista
Coluna do Broadcast Agro
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Frutas do Brasil ganham mais mercado lá fora 

Para a Colômbia, que desde março recebeu 100 toneladas de maçãs nacionais, deverão ser embarcadas 3 mil a 4 mil toneladas da variedade gala até o fim do ano

Coluna do Broadcast Agro, O Estado de S.Paulo

19 de julho de 2021 | 05h52

O Brasil está colocando mais frutas nas prateleiras dos supermercados do mundo. Quatro mercados foram conquistados neste ano: Colômbia, Nicarágua e Senegal autorizaram vendas de maçãs e a Argentina, de figos. Para a Colômbia, que desde março recebeu 100 toneladas de maçãs nacionais, deverão ser embarcadas 3 mil a 4 mil toneladas da variedade gala até o fim do ano. A projeção é da Associação Brasileira de Produtores de Maçã (ABPM). “Queremos alcançar 10% daquele mercado, que importa 100 mil toneladas por ano, com 10 mil toneladas em 2022”, conta Celso Zancan, diretor Comercial e Logística de Mercado Externo da ABPM. Para ganhar espaço nas mesas dos colombianos, o Brasil disputará com o Chile, maior fornecedor da fruta ao país sul-americano. Zancan diz que a maçã brasileira tem menor tamanho, mas ganha em sabor e cor. No médio prazo, o setor espera licenças para exportar maçãs ao Peru, Equador, México, Filipinas, Tailândia e Malásia.  

Novos horizontes

A China é um dos alvos dos exportadores nacionais de frutas. Protocolos fitossanitários para uva, abacate e limão estão sendo discutidos. “O processo está mais adiantado em relação à uva”, diz Guilherme Coelho, presidente da Associação Brasileira dos Produtores Exportadores de Frutas e Derivados (Abrafrutas). A expectativa do setor é obter a autorização em até um ano e meio. Há potencial de vendas de US$ 9 milhões.

Mix

Oportunidades para o abacate nos Estados Unidos e no Japão também estão sendo avaliadas. “São acessos importantes para diversificar a pauta exportadora”, considera Flávio Bettarello, secretário adjunto de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura. Hoje, 95% das exportações das frutas nacionais, de 1,03 milhão de toneladas em 2020, têm como destino a União Europeia, o Reino Unido e os Estados Unidos.

A todo vapor

Com o câmbio favorável e a busca por alimentos saudáveis, exportadores pretendem faturar 15% mais com vendas externas até o fim do ano, chegando a US$ 1 bilhão, de acordo com a Abrafrutas. Parte da meta, US$ 440 milhões, foi obtida no primeiro semestre. O Brasil é o terceiro maior produtor de frutas do mundo, com 45 milhões de toneladas por ano. O setor emprega 5 milhões de pessoas. 

Da Ásia...

Após lançar neste ano sua carne de frango à base de plantas em Cingapura, onde está sediada, e também em Hong Kong e Macau, a NextGen está de olho no Brasil. A ideia é começar a operar aqui entre 2022 e 2023. Andre Menezes, CEO da NextGen, prevê que o País representará de 15% a 25% das vendas da empresa dentro de 10 anos. “O mercado de plant-based hoje está concentrado nos EUA e na Europa, mas entendemos que em 10 a 15 anos Brasil e China também vão estar muito acelerados”, diz o executivo. O mercado chinês também está nos planos.

...para o Brasil

A empresa não pretende ter fábrica brasileira mas estabelecer parceria com fabricante que tenha operação industrial e atue sem marca própria. “Traríamos a nossa tecnologia, nossos ingredientes e nosso processo para essa fábrica produzir sob a nossa marca”, diz Menezes, que já passou pela BRF. A pandemia retardou as conversas com possíveis parceiros. “Ainda não tivemos oportunidade de visitar e experimentar os produtos”, conta. 

De olho no céu

A empresa sueca de meteorologia Ignitia concluiu rodada de financiamento de US$ 4,2 milhões para lançar no Brasil seus serviços de apoio à tomada de decisão, desde a preparação até a colheita da safra agrícola. Segundo o CEO Rui Antunes, a Ignitia adaptou seu sistema às condições do País em um processo que durou cerca de 18 meses. Com uso de Inteligência Artificial e Machine Learning, garante 84% de precisão nas previsões do tempo.

Em conjunto

A Ignitia fechou no Brasil uma parceria com a startup StarkSat, de monitoramento por satélite, que atende produtores em mais de 3 milhões de hectares. Bernardo Arnaud, CEO da StarkSat, diz que a empresa usa os serviços da Ignitia em algumas de suas plataformas e seguros para prevenção de perdas agrícolas na África e na América Latina.

Passo Largo

A FarmBox, plataforma de gestão de propriedades rurais, prevê monitorar área 40% maior neste ano. Até dezembro, quer cobrir 2,8 milhões de hectares, ante 2 milhões de hectares rastreados atualmente, diz André Cantarelli, CEO da CheckPlant/Farmbox. Parte do incremento deve vir por meio de parcerias com revendas de insumos e consultorias agronômicas. “Queremos alcançar produtores de porte menor, a partir de 2 mil hectares”, diz o executivo. Hoje, o agricultor atendido pela startup tem, em média, 8 mil hectares.

Do lado

Para a expansão, a agtech mira o Centro-Oeste e o Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), onde atua em lavouras de soja, algodão, milho e cana-de-açúcar. “O produtor está mais receptivo a digitalizar a operação”, observa Cantarelli. A FarmBox espera também aumentar a sua presença na Bolívia e no Paraguai, dos atuais 45 mil hectares. Uma possível entrada na Argentina está nos planos para 2022/23. / ISADORA DUARTE E LETICIA PAKULSKI 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.