Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Waldemar Padovani/AE
Waldemar Padovani/AE
Imagem Coluna do Broadcast Agro
Colunista
Coluna do Broadcast Agro
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Holambra quer dobrar de tamanho em quatro anos

Presidente da cooperativa diz que recebeu 20% mais grãos e algodão e já vendeu 90% da produção 2019/2020

Coluna do Broadcast Agro, O Estado de S.Paulo

21 de dezembro de 2020 | 05h00

A cooperativa paulista Holambra, com foco em grãos, algodão e citros, deve encerrar 2020 com faturamento 25% maior do que no ano passado, de R$ 1,2 bilhão. Puxaram o desempenho o aumento de área plantada, investimentos em tecnologia, especialmente em manejo e irrigação, e os preços elevados das commodities. Shandrus Hohne de Carvalho, presidente executivo, conta que a cooperativa recebeu neste ano 20% mais grãos e algodão e já vendeu 90% da produção 2019/2020. Para 2021, a expectativa também é de crescimento de 25% na receita. “Nosso plano é dobrar de tamanho nos próximos quatro anos”, diz. O foco agora será agregar valor aos produtos e equipar os cooperados com ferramentas de gestão de fazendas e agricultura digital.

Expansão

Nos últimos três anos, a Holambra investiu R$ 100 milhões em suas operações e em 2021 outros R$ 45 milhões serão aplicados. R$ 10 milhões vão para a abertura em janeiro da sétima unidade da cooperativa, em Lençóis Paulista (SP). Outros R$ 35 milhões serão usados na reforma de armazéns, ampliação da capacidade de recepção e novos secadores de grãos. 

Foco. Estimular a produção de algodão entre os cooperados é outra meta. Segundo Carvalho, 99% da pluma produzida nas áreas de atuação da cooperativa tem padrão exportação e a Holambra tem duas algodoeiras para beneficiamento. A questão é a perspectiva de remuneração, atualmente maior nos grãos. Na safra de verão 2020/2021, o plantio da pluma deve recuar 60%, enquanto a área de soja e milho deve crescer 10%.

Vem pra cá

A competição anual do Global Innovation Lab for Climate Finance (The Lab), que encerra inscrições amanhã, está em busca de propostas de instrumentos financeiros inovadores que atraiam recursos para sistemas sustentáveis de produção de alimentos. Segundo Tatiana Alves, que lidera o programa do Lab no Brasil, isso inclui soluções para cadeias de agricultura e pecuária, mas também em gestão de resíduos e fornecimento de insumos.

Apoio

As iniciativas selecionadas receberão consultoria para desenvolvimento, design e análise de mercado durante sete meses. A nova turma será anunciada em fevereiro. O Lab é uma iniciativa de mais de 60 investidores, instituições financeiras privadas e governos, que acelera soluções de investimento para apoiar metas de desenvolvimento sustentável em mercados emergentes.

Natal ‘verde’

Tendências sustentáveis seguem no radar da Seara, que lançou para as ceias de fim de ano o frango Fiesta orgânico, inédito na categoria de aves de grande porte. Ao todo, 111 mil “frangões” foram criados em Santa Catarina, por 9 granjeiros, que produziram 215 toneladas de carne, sem utilização de agrotóxicos ou transgênicos. O Fiesta orgânico custará, em média, 30% mais que o frango convencional da Seara próprio para festas. 

Plant-based

Para os consumidores adeptos do vegetarianismo e tendências similares, também foi lançado um “bacalhau” 100% vegetal. Produzido na unidade da Seara em Rio Grande da Serra (SP), tem uma receita à base de pimentões verde e vermelho, grão-de-bico, tomate, cebola e azeitona. “Além disso, possui a biomolécula i, tecnologia exclusiva que garante sabor e textura de carne aos alimentos feitos com plantas”, diz José Cirilo, diretor executivo de Marketing e Trade da Seara. “Estamos atentos a tendências globais de mercado para trazer novidades inovadoras e surpreendentes.”

Agora vai

Um sistema eletrônico de validação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) testado pelo Ministério da Agricultura poderá em breve ser adotado pelos Estados. O Paraná, por exemplo, já iniciou treinamento para aplicar, a partir do ano que vem, a plataforma ArcGis, desenvolvida pela Universidade Federal de Lavras (Ufla). É o que conta Valdir Colatto, diretor-geral do Serviço Florestal Brasileiro (SFB), que gerencia o CAR. Ceará e Acre também estão bem preparados e devem vir em seguida, adianta. 

Otimização

A validação eletrônica do CAR é essencial para acelerar o processo de regularização ambiental nas propriedades rurais do País. “Temos 6,5 milhões de CARs preenchidos e fazer a análise manual de cada um seria inviável”, diz Colatto. “Caso o sistema veja alguma inconformidade, parte-se para a validação ‘manual’’, explica.

Online

Com a procura por proteínas mais baratas e maior consumo de alimentos dentro de casa o Grupo Mantiqueira viu disparar as vendas de ovos no e-commerce entre março e dezembro. Leandro Pinto, presidente da companhia, conta que a base de assinantes passou de 300 para 4 mil no período. “A comercialização virtual contribui para ampliar o conhecimento sobre os gostos dos clientes e, assim, desenvolver novos produtos”, diz o executivo.  

 

LETICIA PAKULSKI, TÂNIA RABELLO

e JULLIANA MARTINS

Tudo o que sabemos sobre:
algodãoHolambra [SP]agronegócio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.