Rafaeç Arbex/Estadão - 20/3/2019
Rafaeç Arbex/Estadão - 20/3/2019

IBGE reduz mais uma vez projeção para a safra de grãos, mas prevê recorde na colheita de soja

Sob efeito da estiagem, a produção do País este ano deve somar 250,9 toneladas, 1,3% a menos que o total colhido em 2020 

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

07 de outubro de 2021 | 13h01

RIO - Os efeitos da estiagem sobre as lavouras ainda reduzem as estimativas para a safra brasileira de grãos deste ano. A produção deve totalizar 250,9 milhões de toneladas, um recuo de 1,3%, o equivalente a 3,2 milhões de toneladas a menos que o colhido em 2020, segundo os dados do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola de setembro, divulgado nesta quinta-feira, 7, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O montante é 0,3 ponto porcentual menor que a estimativa feita em agosto, completando seis meses de quedas consecutivas. A produção do milho de segunda safra caiu 2,0% em setembro ante a projeção de agosto, o equivalente a 1,2 milhão de toneladas a menos. 

“Realmente a queda do milho de segunda safra foi muito grande e traz impacto econômico para o País, que é o aumento do preço do milho. A tendência é o preço se manter elevado. O milho impacta várias cadeias de produção, especialmente suínos e aves”, disse Carlos Alfredo Guedes, gerente da pesquisa do IBGE.

Também houve redução nas estimativas para a produção de laranja (-7,2% ou 1,1 milhão de toneladas a menos), cana-de-açúcar (-3,8% ou 24,6 milhões de toneladas a menos), café arábica (-3,1% ou 62,9 mil toneladas a menos), aveia (-1,1% ou 11,5 mil toneladas a menos), algodão (-1,0% ou 60,2 mil toneladas a menos) e trigo (-0,6% ou 46,9 mil toneladas a menos).

A produção brasileira de trigo está prevista em 8,14 milhões de toneladas, 31% a mais que em 2020. No entanto, o pesquisador do IBGE pondera que é necessário aguardar a colheita do grão no Rio Grande do Sul, uma vez que é uma cultura bastante sensível a chuvas nessa etapa da produção.

“Os produtores aumentaram a área plantada porque os preços estão bem favoráveis para o trigo”, explicou Guedes. “Essa safra de 8 milhões (de toneladas) realmente é muito boa”, afirmou o pesquisador, lembrando que ainda assim o Brasil precisará importar trigo este ano, para dar conta do consumo doméstico, que gira em torno de 12 milhões de toneladas.

Em setembro, houve melhora nas estimativas de produção frente a agosto para o feijão terceira safra (6,0% ou 33,8 mil toneladas a mais), tomate (4,3% ou 163, 6 mil toneladas a mais), café canephora (1,7% ou 15,4 mil toneladas a mais), feijão 2ª safra (1,6% ou 15,0 mil toneladas a mais), milho 1ª safra (0,9% ou 232,1 mil toneladas a mais),feijão 1ª safra (0,3% ou 3,0 mil toneladas a mais), soja (0,2% ou 268,7 mil toneladas a mais) e cevada (0,1% ou 657 toneladas a mais).

O Brasil colherá novo recorde de soja em 2021, 134 milhões de toneladas, um crescimento de 10,3% ante 2020. A safra de arroz será 4,4% maior, somando 11,5 milhões de toneladas.

Após mostrar recuperação em setembro, a produção total de feijão será de 2,7 milhões de toneladas, praticamente o consumo aparente brasileiro, com alta de 1,9% ante a projeção de agosto. Na comparação com 2020, porém, a safra de feijão será 5,6% menor.

“Nosso consumo é bem próximo ao que a gente está colhendo, gira em torno de 2,8 e 2,9 milhões de toneladas. É uma cultura que a gente não consegue exportar. Quando tem alguma falta de feijão, a gente importa de outros países. Mas não tem tantos países assim produtores, é um consumo mais brasileiro mesmo”, disse Guedes.

O pesquisador ressalta que a nova safra de feijão, referente à primeira de 2022, será plantada agora em outubro, para começar a chegar ao mercado em janeiro. “Então acredito que não tenha impacto nos preços nos últimos meses do ano. Essa terceira safra acabou de ser colhida, e em janeiro já começa a entrar uma safra nova”, justificou.

No próximo mês o IBGE começa a divulgar o prognóstico para a safra agrícola de 2022, que já começa a ser plantada.

“As chuvas estão aparentemente mais normalizadas. Tem que aguardar um pouco o próximo prognóstico para ver o que nossos colegas do IBGE vão trazer do campo. Aparentemente teremos uma safra mais normal para o plantio da soja e do milho, que são as mais importantes para esse início do ano”, concluiu o pesquisador. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.