Netafim/ Divulgação
Netafim/ Divulgação
Imagem Coluna do Broadcast Agro
Colunista
Coluna do Broadcast Agro
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Netafim quer ampliar fatia do mercado com irrigação por assinatura

Agroindústrias estão entre os clientes-alvo do projeto; foco inicial é o Sudeste, mas a Netafim quer alcançar todo o Brasil até 2024

Leticia Pakulski, Clarice Couto, Isadora Duarte e Augusto Decker, O Estado de S.Paulo

11 de abril de 2022 | 04h00

A israelense Netafim quer ampliar de 36% para 40% a participação no mercado brasileiro de irrigação por gotejamento até 2024. Para isso, prevê crescer 15% neste e nos próximos dois anos. Além da venda de projetos, aposta agora nos serviços. Inaugura este mês um modelo de irrigação “por assinatura”, em que planeja, executa e mantém sistemas para o produtor cobrando uma mensalidade. Depois do fim dos contratos, o equipamento é transferido ao agricultor. “O Brasil tem 7 milhões de hectares irrigados, e boa parte não usa gotejamento. A Netafim busca ampliar o mercado, e serviço é um dos motores do crescimento”, diz Caio Macedo, gerente comercial de serviços. A empresa espera receita global de US$ 1,1 bilhão em 2022.

Clientes potenciais são agroindústrias

Agroindústrias estão entre os clientes-alvo do projeto. “O apelo é um pouco maior para essas agroempresas que possuem muitos ‘chapéus’ para gerenciar dentro do seu negócio”, diz Macedo. O foco inicial é o Sudeste, mas a Netafim quer alcançar todo o Brasil até 2024.

Modelo integra estratégia global

O Brasil é o 5.º país das Américas para o qual a Netafim traz a iniciativa, criada no México e adotada no Equador, Peru e EUA. A empresa espera ter 2 mil hectares no País até o fim do ano sob o novo modelo de serviços; 4 mil hectares em 2023 e 5,5 mil hectares em 2024. O forte da empresa no Brasil são café, grãos, cana, hortifrúti e citros.

Precavida...

A BrasilAgro, que produz grãos, algodão e cana-de-açúcar e atua no mercado de terras, já comprou mais da metade dos adubos que precisará até junho de 2023. No pacote estão 100% do potássio para os grãos da próxima safra, todo o fertilizante para o milho de inverno e para o plantio de cana e 30% do necessário para cobrir a soqueira (raiz da cana após a colheita) em 2022, suficiente até julho deste ano, conta André Guillaumon, o CEO.

... e apreensiva

O potássio foi comprado em janeiro e fevereiro, antes da invasão da Ucrânia, pois já se previa oferta restrita de Belarus em razão de embargos ao país, conta ele. Para a safra de grãos que será plantada a partir de setembro, faltam os adubos fosfatados, que têm na fórmula a amônia, produzida com gás natural, do qual a Rússia é importante player global. O gás deveria baratear no segundo semestre, pela menor demanda para calefação na Europa, mas isso pode não ocorrer se a guerra Ucrânia-Rússia se prolongar, avalia.

Cerco

A empresa de tecnologia Indigo, que faz controle biológico de pragas e financia agricultores, age em várias frentes para dobrar a área atendida no Brasil em 2022, para 2 milhões de hectares. Além de lançar na última semana uma linha para soja e milho focada em estresse hídrico, vai ampliar em 40% a equipe comercial no Brasil, hoje com 30 pessoas.

Banca

Expandir o crédito a produtores para financiar negócios é outra parte da estratégia. Dario Maffei, CEO para a América Latina, diz que está em negociação avançada com “grandes investidores”, para tentar conceder mais de R$ 500 milhões em 2022. Pelo Indigo Ag Finance, fundo com recursos de grupos como o suíço Julius Baer Family Office, liberou R$ 350 milhões no ano passado.

Com rastro

A NovoAgro, que aplica em empresas de tecnologia na agroindústria, investiu R$ 500 mil em formato smart money (inclui consultoria e outras ações) na startup Hortify, avaliada em R$ 7 milhões. A meta é ajudar a agtech a alcançar o pequeno produtor e chegar a 3 mil agricultores até o fim do ano. A plataforma Hortify.app permite, por exemplo, rastreabilidade para o consumidor saber informações como lote e data de plantio de produtos hortifrútis. 

Itaú BBA quer lançamento do Plano Safra o quanto antes

Conhecer em maio as condições “gerais” do Plano Safra 2022/23, que começará em julho, seria o ideal para bancos se prepararem, disse Pedro Fernandes, diretor de Agronegócios do Itaú BBA, em live do Estadão/Broadcast na quinta-feira. O agro pede maior porcentual dos depósitos para o crédito, hoje em 25%.

Anufood no Brasil espera crescimento na retomada

A Anufood Brazil, feira de alimentos e bebidas, retorna de forma presencial de 12 a 14 de abril em São Paulo, e espera receber 12 mil visitantes e 38% mais expositores. “A expectativa é de resultado muito maior que em 2020”, diz Beni Piatetzky, diretor-geral da Koelnmesse Brasil, organizadora da feira.

Tudo o que sabemos sobre:
Netafimagricultura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.