TMG aposta no Cerrado para crescer em sementes
Imagem Coluna do Broadcast Agro
Colunista
Coluna do Broadcast Agro
Conteúdo Exclusivo para Assinante

TMG aposta no Cerrado para crescer em sementes

Meta é aumentar de 9% para 12% sua fatia do segmento de soja

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de julho de 2020 | 06h58

A Tropical Melhoramento & Genética (TMG), com sede no Paraná, mira no Cerrado para avançar no mercado de sementes de soja e algodão. A meta é aumentar de 9% para 12% sua fatia do segmento de soja, aproveitando o esperado crescimento de área. No algodão, a empresa almeja 45% a 50% do mercado - hoje detém 42%. A expectativa é fechar 2020 com faturamento de R$ 200 milhões, 15% acima do ano passado. Além do Brasil, a TMG atua no Paraguai e no Uruguai, onde espera aumentar vendas de sementes de soja em 10% e 1%, respectivamente, em 2020/2021. A empresa testa, ainda, linhagens de soja na África do Sul, Argentina e Colômbia. Nos EUA, os testes envolvem também o algodão. “No primeiro ano, testamos duas a três variedades, neste ano estamos testando mais de 100”, conta Francisco Soares Neto, diretor presidente da TMG.

Portfólio. Para a safra 2020/2021, a TMG tem no Brasil quatro novas variedades da pluma e espera demanda maior pelas três de soja lançadas nas duas últimas safras, com foco no Centro-Oeste e Matopiba. As vendas estão adiantadas. “Já comercializamos mais de 70% do volume de soja, ante 50% nesta época do ano passado”, conta Soares Neto. Produtores se anteciparam temendo redução da oferta de sementes devido ao clima seco no Sul e às chuvas na colheita no Centro-Oeste e animados com os preços em reais da soja para o ano que vem.

Ainda não. Apesar do assédio de gigantes do setor de sementes, a TMG seguirá sozinha por enquanto, assegura o diretor presidente. “Interesse (de compradores) sempre houve e há, mas não pensamos neste momento em negociar a empresa.”

Impulso. O Next A&M, fundo de investimento da consultoria de empresas Alvarez&Marsal, pretende aplicar até o fim do ano R$ 5 milhões em startups voltadas ao agronegócio, as agtechs. “Estamos finalizando a negociação com uma e devemos injetar recursos em outras cinco agtechs ainda em 2020”, diz Luis Camisasca, líder da área de Inovação da Alvarez&Marsal. Para 2021, a empresa deve lançar um fundo adicional de US$ 20 milhões para aplicar em startups em mercados emergentes. Em 18 meses de operação, o Next A&M fez aporte de R$ 3,5 milhões em quatro agtechs.

Mão dupla. Camisasca diz que na seleção das startups são consideradas as ferramentas digitais demandadas pelas empresas já atendidas pela consultoria. “Sabemos das necessidades e apresentamos a elas soluções mais adequadas.” Ele cita o caso do projeto de uma indústria sucroenergética que adota a tecnologia de uma plataforma de monitoramento de lavouras que recebeu recursos do fundo. Soluções ligadas a crédito rural estão no foco do fundo no curto e médio prazos.

Dinheiro aí. A fintech Culttivo chega ao mercado para oferecer crédito para produtores de café que tiverem seus estoques depositados em 16 armazéns credenciados e certificados pela B3 em São Paulo e Minas Gerais. A expectativa é conceder ao menos R$ 50 milhões até o fim de 2020. As taxas de juros variam de acordo com o tamanho do estoque. “Produtor pode solicitar o crédito de dentro da sua propriedade pela internet e ter o dinheiro em mãos em poucos dias”, afirma Gustavo Foz, CEO da fintech.

Surpresa. Apenas um ano após o Pão de Açúcar e o Extra começarem a vender hambúrguer vegetal no Brasil, o produto já é responsável por 30% de todas as vendas de hambúrgueres do grupo GPA no País. O faturamento com alimentos “plant based”, à base de plantas diversas que simulam a textura e o sabor de itens de origem animal, tem triplicado a cada mês, conta André Artin, gerente de Desenvolvimento Comercial das duas redes. “E abrasileiramos o segmento, oferecendo também linguiça e carne moída a partir de plant based”, conta.

Versão. Uma das apostas do GPA é a carne moída vegetal congelada, há apenas seis meses nas gôndolas. Até o fim do ano, o produto deve contribuir com 30% de todo o faturamento do segmento plant based, estima Artin. No segundo semestre, o portfólio do GPA vai sair de dez para 20 alimentos, com versões de carne suína e pescado. Fazenda Futuro, The New Butchers, JBS, Marfrig e BRF exploram o segmento hoje e o GPA avalia criar sua linha própria.

Olho eletrônico. A MSD Saúde Animal concluiu a aquisição da Quantified Ag, empresa norte-americana que atua em análise de dados em tempo real de bovinos para detectar doenças precocemente. Delair Bolis, presidente da companhia no Brasil, Paraguai, Uruguai e Bolívia, não revela o valor da aquisição, mas espera atender com a ferramenta pelo menos 20% do rebanho brasileiro de leite e de corte, de cerca de 200 milhões de animais.

Prevenir é melhor. Bolis calcula que, entre 12 e 24 meses, a tecnologia da Quantified Ag estará disponível aqui. Ela monitora movimentos e temperatura dos animais e qualquer situação atípica é comunicada ao sistema. “Quanto mais cedo você detecta a doença, menor uso de medicamentos fará e maior será o bem-estar”, diz ele, que também não adianta qual será o custo da tecnologia para o criador.

POR LETICIA PAKULSKI, ISADORA DUARTE, CLARICE COUTO, TOMAS OKUDA e TÂNIA RABELLO

Tudo o que sabemos sobre:
agronegócioCerradosoja

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.