Russo pode ser demitido do Boca se perder o Mundial de Clubes

Apesar do título da Libertadores, diretoria ficou insatisfeita com os resultados no Campeonato Argentino

Efe,

04 de dezembro de 2007 | 13h07

O treinador Miguel Ángel Russo só continuará no comando do Boca Juniors em 2008 se a equipe vencer o Mundial de Clubes da Fifa, que será disputado no Japão entre os dias 7 e 16 de dezembro, segundo revelou nesta terça-feira a diretoria do clube. Pedro Pompilio, que assumiu a presidência do Boca, afirmou que o desempenho de Russo no torneio será motivo de análise no final do ano, apesar de o técnico já ter vencido a Copa Libertadores da América em junho. Consciente de sua situação, Russo disse que interpreta a participação do Boca no Mundial "como um prêmio, e não como um teste", embora as mensagens da direção nos últimos tempos indiquem o contrário. Pompilo havia manifestado em junho "sua plena satisfação com Russo", mas a eliminação da equipe no Torneio Apertura do Campeonato Argentino, conquistado pelo Lanús, parece tê-lo feito mudar de opinião. A impressão que ficou no clube é de que a conquista da Libertadores se deveu mais ao rendimento do meia Riquelme do que ao trabalho do técnico. Pompilio substitui na Presidência do Boca Mauricio Macri, que na próxima segunda-feira assumirá a Prefeitura de Buenos Aires, e tudo indica que o novo presidente está disposto a marcar diferenças em relação a seu antecessor. Segundo a imprensa local, isto pode significar o presságio de mudanças, o que colocaria em risco o emprego do atual técnico do Boca, caso não faça um bom papel no torneio que começa esta semana.

Tudo o que sabemos sobre:
Mundial de ClubeBoca Juniors

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.