Shannon Stapleton/Reuters
Shannon Stapleton/Reuters

Taxa de desemprego dos EUA fica em 5% em novembro

Resultado está perto do nível mais baixo desde o primeiro semestre de 2008; economia criou 211 mil empregos em novembro

Dow Jones Newswires

04 de dezembro de 2015 | 12h10

WASHINGTON - A taxa de desemprego nos EUA permaneceu em 5,0% em novembro, informou o Departamento do Trabalho. O resultado veio em linha com a previsão dos economistas consultados pela Dow Jones Newswires e está perto do nível mais baixo desde o primeiro semestre de 2008.

Uma medida mais ampla de desemprego, que inclui os norte-americanos com trabalho em período parcial ou estão desanimados para buscar ocupação, subiu levemente para 9,9% em novembro, de 9,8% em outubro, mas segue abaixo do patamar registrado um ano atrás.

A economia dos EUA criou 211 mil empregos em novembro, informou o Departamento do Trabalho. O resultado veio levemente acima da previsão dos economistas consultados pela Dow Jones Newswires, que esperavam 200 mil novas vagas.

As revisões nos números de outubro e setembro mostraram que foram criados 35 mil postos de trabalho a mais que o calculado inicialmente. O dado de outubro foi revisado de 271 mil novas vagas para 298 mil, que foi o número mais forte registrado neste ano. A criação de empregos em setembro foi revisada de 137 mil para 145 mil.

Com o resultado de novembro, a média mensal de vagas criadas nos EUA neste ano é de 218 mil.

A participação na força de trabalho subiu para 62,5% no mês passado, de 62,4% em outubro. Ainda assim, a proporção de norte-americanos em busca de emprego continua perto na mínima em 40 anos.

O salário médio por hora dos trabalhadores do setor privado aumentou US$ 0,04 em novembro, ou 0,16%, para US$ 25,25, levemente menos que o aumento de US$ 0,09 registrado em outubro. Na comparação com novembro do ano passado, houve alta de 2,3%, em linha com os avanços dos últimos anos.

A média de horas trabalhadas por semana caiu levemente para 34,5 horas em novembro, de 34,6 horas em outubro.

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    economiaEUAempregoFEDjuros

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.