finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

0Km nacionais e importados já estão mais caros

Carros zero-quilômetro de sete marcas nacionais e importadas já sofreram reajustes de preços por parte dos fabricantes este ano, entre eles alguns dos modelos de motorização 1.0 mais vendidos no mercado nacional.Os aumentos não seguem um mesmo índice, variando de 0,7% a 5%, e englobam apenas parte dos produtos oferecidos por Fiat, Ford, General Motors, Volkswagen, Mitsubishi, Peugeot e Suzuki, sendo que os quatro primeiros fabricantes já haviam subido seus preços no começo de dezembro passado.A Volkswagen foi quem menos mexeu em sua tabela agora. As alterações se restringiram ao preço de seu modelo de entrada no mercado, o Gol Special, e ao do Polo Classic. O Gol Special ficou R$ 99,00 mais caro, ou seja, 0,7%, passando de R$ 14.230,00 para R$ 14.329,00. O Polo Classic, trazido da Argentina, subiu de R$ 26.006,00 na versão básica 1.8 para R$ 26.760,00. O maior índice aplicado, de 5%, foi para o jipinho Jimny 1.3, importado pela Suzuki do Japão, que agora custa a partir de R$ 34.114,50. A Fiat promoveu aumento médio de 1,5% no preço de poucos carros. Na teoria, só 12 modelos ficaram mais caros. Na prática, no entanto, o reflexo foi maior: é que os modelos que escaparam do aumento tiveram seus opcionais reajustados também em 1,5% e quase a totalidade dos veículos Fiat deixam a linha de produção em Betim com itens extras de conforto ou segurança.Já a General Motors fez reajuste médio de 1,7% nos preços das linhas Corsa, Astra, Vectra, S10 e Blazer. O modelo que mais subiu foi o Corsa Sedan GLS 16V 1.6 - seu valor saltou de R$ 28.226,00 para R$ 29.045,00, o que significou acréscimo de 2,9%. As linhas S10 e Blazer foram aumentadas em 1,9%, enquanto Astra e Vectra subiram 1,5%. O Celta, que havia sido reajustado no último dia 4 (quando passou de R$ 14.436,00 nas revendas para R$ 14.584,00), e as versões Wagon e Wind do Corsa, além da picape Silverado e do sedã australiano Omega, mantiveram seus preços.O aumento médio da Ford também foi de 1,7% e deixou de fora apenas o Fiesta (e ainda assim com exceção do GLX 1.6 de 3 portas, que subiu R$ 300,00), e as versões básicas do Focus e os dolarizados Explorer e Mondeo. Quanto aos veículos Peugeot, as alterações foram somente para as famílias 106 e 206, mais caros em R$ 100,00 e R$ 200,00, respectivamente. A Mitsubishi mexeu na linha Pajero em cerca de 1%, exceto para as versões Full. Outro veículo da marca a sofrer reajuste foi a picape L200, na média 2% mais cara.Troca de linhaO impacto nos preços, segundo as montadoras, se deu em razão da chegada às lojas da linha 2001/2001, mas em muitos casos não afetou ainda o bolso dos compradores. Enquanto o estoque nas distribuidoras for de carros recebidos anteriormente aos aumentos, os preços seguem os mesmos, o que significa que o consumidor ainda tem alguns dias para comprar a preço antigo. E mais: em algumas revendas, existem promoções para liquidar o estoque 2000/2001, com descontos significativos.

Agencia Estado,

24 de janeiro de 2001 | 19h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.