Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Reuters
Reuters

12 mil trabalhadores estão fora das fábricas

Sem perspectivas demelhora, empresas já programaram jornadas reduzidas para os meses de março, abril e maio

O Estado de S.Paulo

01 de março de 2015 | 02h02

Além dos programas de demissão voluntária (PDVs), as montadoras têm quase 12 mil trabalhadores afastados em férias coletivas, banco de horas e lay-off (suspensão temporária dos contratos de trabalho). O cenário para os próximos meses não é animador e pode se complicar com a recente decisão do governo de reduzir o benefício da desoneração da folha de pagamentos das empresas.

Em 2014, a produção de veículos caiu 15,3% em relação ao ano anterior. Em janeiro, a queda foi de 13,7% ante o mesmo mês do ano passado.

Só a Marcopolo, fabricante de ônibus, tem todos os seus 6 mil funcionários em férias nas duas fábricas de Caxias do Sul (RS) com retorno para amanhã. Os trabalhadores já aprovaram proposta da empresa de parar a produção até seis dias por mês entre março e maio.

A Agrale, que produz caminhões, chassi para ônibus e tratores e emprega 1,6 mil pessoas, vai operar quatro dias por semana nas três unidades de Caxias do Sul entre este mês e maio.

O Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo realizou, no primeiro bimestre, 2.563 homologações de trabalhadores, 62,6% a mais que no mesmo período de 2014.

"Na região de Campinas, o setor de autopeças foi o segundo com maior número de demissões em 2014, atrás do de eletroeletrônicos, e os cortes seguem neste ano", diz Sidalino Orsi Júnior, presidente do sindicato dos metalúrgicos local. Ao todo, a entidade registrou 27 mil demissões, das quais 4,6 mil foram nas autopeças, entre as quais Bosch e Eaton. Houve 21 mil contratações, o que dá um saldo negativo de 6 mil postos.

Levando-se em conta toda a cadeia automotiva, que inclui, por exemplo, fabricantes de aço, plásticos e químicos, o impacto é bem maior. / C.S.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.