20 instituições são proibidas pelo BC argentino de operar com câmbio

O Banco Central suspendeu 27 instituições financeiras de operar no mercado de câmbio até que informem quanto possuem em divisas no exterior. Dessas, sete responderam rapidamente ao BC e foram reabilitadas. Entre as instituições suspensas encontram-se os bancos Nación, Credicoop, Suquía, Lloyds, Piano, Bisel, Cetelem, Cofidis, de Servicios Financieros, Empresario de Tucumán, Urquijo, Neuquén, Formosa, San Juan, Santa Cruz, Chubut, Santiago del Estero e Chaco. Também foram afetadas as empresas: American Express, Cobifal, Credilogros, GE Companhia Financeira, Más Ventas Companhia Financeira, Renault Credit International, Rombo e Volkswagen Companhia Financeira. Na sexta-feira passada, o BC surpreeendeu o mercado ao editar medida que limitava os bancos em suas aquisições de dólares, que não poderiam ser maiores do 5% da Responsabilidade Patrimonial Computável (RPC) registrada no balanço de nobembro de 2001. Para controlar o cumprimento da norma, o BC tornou obrigatório o envio de relatório diário, às 20 horas, por e-mail, sobre a posição em dólares de cada um dos bancos que operam no mercado. As entidades sancionadas hoje foram aquelas que, até o momento não cumpriram as determinações do Banco Central, que tomou as medidas para frear o aumento do dólar, que tocou os 2,50 pesos na semana passada e, hoje, permanece estável em 2,45 pesos para venda e 2,35 para compra, mesmo nível do fechamento de sexta-feira. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.