2003 foi "decepcionante" para a indústria

O ano de 2003 foi "decepcionante" para o setor industrial, disse o coordenador da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Flávio Castelo Branco. De acordo com dados divulgados nesta terça-feira pela entidade, a massa salarial teve o pior desempenho desde 1999, com contração real dos salários dos trabalhadores de 4,18%. No mercado de trabalho houve uma pequena expansão do emprego, de 0,66%.As vendas reais da indústria acumularam expansão de 0,53% - o pior desde 1998 -, enquanto que a utilização da capacidade instalada foi de 79,7%, interrompendo uma série de três anos consecutivos em que o índice superou 80%. Situação semelhante ocorreu com o número de horas trabalhadas que, em 2003, teve crescimento de 0,37% em relação a 2002, abaixo da taxa de crescimento de 2001, que foi de 1,58%.Para Castelo Branco, foi prematura a interrupção da queda da taxa de juros decidida pelo Banco Central, que a manteve em janeiro em 16,5% ao ano. "Deveríamos retomar rapidamente a trajetória de queda de juros, porque as condições de retomada da economia não estão dadas", afirmou. Ele classificou como "sazonal" a pressão inflacionária no momento e argumentou que a renda deprimida não permitirá a alta de preços.O economista disse que o crescimento da economia este ano vai depender da política monetária nos próximos meses, da recuperação do poder de compra das famílias e da agenda de reformas, que está para ser concluída.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.