2005 é oportunidade para País "fazer acontecer"

Este ano de 2005 será o ano da gestão, enfatizou o presidente do BBDTVM (Banco do Brasil Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários), Nelson Rocha Augusto, durante o programa Conta Corrente, da "Globo News". "É preciso fazer com as coisas efetivamente aconteçam.""A estabilidade está aí. A taxa de inflação esperada é baixa, a estrutura de balanço de pagamento é extremamente positiva, o câmbio dá sinais de que há uma melhoria expressiva na confiança na economia brasileira", disse. "É preciso de gestão para que essas coisas sejam convertidas efetivamente em ampliação da capacidade de oferta, em ampliação da capacidade instalada, para que a gente possa estar deslanchando num leito de crescimento de longo prazo, e não fique preso ao crescimento de 2004 que já se confirmou". Indagado sobre possíveis ameaças à economia brasileira em 2005, o presidente do BBDTVM alertou que existe um cenário bastante complexo do ponto de vista externo. "A duplicidade do déficit americano soma quase dois PIBs brasileiros. O que realmente é um número extremamente preciso e merece um cuidado muito grande, sobretudo quando observamos a volatilidade do dólar em relação a outras moedas. Isso merece uma atenção especial pela própria importância da economia americana e a influência que ela tem no resto do mundo", disse. Sem sobressaltos - A queda da inflação é muito positiva para a política do juros brasileira, afirma Nelson. "A inflação de 2004 foi bastante baixa e a expectativa para 2005 é de queda". De acordo com o executivo, a política monetária, através da taxa de juros, é um dos instrumentos extremamente importantes para o combate da inflação, mas não é a única. "Temos que observar também o fator fiscal, que tem tido um comportamento muito expressivo na economia brasileira e que dá um grau de confiança importante para os agentes econômicos que influenciam na decisão de preços, de investimentos, na decisão de geração de emprego etc. Nelson avalia que a taxa de juros de curto prazo nos Estados Unidos tem espaço para subir mais. "A taxa de juros relevante nos EUA é a de 10 anos. Essa taxa tem espaço para subir um pouco também, mas não trará qualquer tipo de conseqüência significativa para o Brasil. Mas, pode começar a preocupar se romper a barreira dos 5%." O presidente do BBDTVM afirmou ainda que a taxa está sob equilíbrio, no momento, e não há razão para "nenhum sobressalto".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.