Estadão
Estadão

2018 pode ter inflação na meta e PIB com crescimento robusto

Projeções do boletim Focus, do BC, apontam para crescimento de 2,3% no ano que vem, mas há quem aposte em alta de até 4%

Maria Regina Silva, Thaís Barcellos e Álvaro Campos, O Estado de S.Paulo

13 de fevereiro de 2017 | 14h26

Se 2017 será um período ainda difícil para a economia brasileira, saindo da pior recessão da sua história, 2018 pode ser o "ano dos sonhos" para qualquer gestor de política econômica, com inflação na meta e a economia crescendo forte.

Apesar da retração nas projeções de inflação e Selic nos últimos meses, as expectativas para o PIB este ano não melhoraram. Na pesquisa Focus, houve uma pequena variação negativa esta semana, de 0,49% para 0,48%. Alguns analistas apontam que o mercado pode estar sendo cético demais. O economista-chefe do banco Fibra, Cristiano Oliveira, projeta expansão de 1% e diz estar confortável com esse número. "Na verdade, meus modelos estimam até um pouco mais, 1,1%, 1,2%", comenta.

Já em 2018 a situação deve ser diferente. A Focus mostra projeção de expansão de 2,30%, ante 2,25% uma semana antes. Entre os mais otimistas, o Itaú Unibanco, por exemplo, vê crescimento de 4% no próximo ano. Oliveira espera alta de "pelo menos" 3,5%.

O economista do Fibra explica que, no quarto trimestre deste ano, a economia deve crescer 1,5% ante o terceiro trimestre, o que gera uma taxa anualizada de 6%. Para ele, isso não deve levar a uma pressão inflacionária tão grande, porque ainda há muita capacidade ociosa na economia. "O Brasil pode crescer a esse ritmo por vários trimestres, porque ainda vai demorar muito para fechar o hiato do produto, que está em mais de 4%", explica.

O economista da RC Consultores Marcel Caparoz acredita que a atividade estará em condições um pouco mais favoráveis em 2018 em relação a 2017, já que espera alta de até 1% este ano e algo na faixa de 2,0% em 2018. "Devemos ter alguns ajustes importantes, como na Previdência, que vão dar frutos ao País, mas que demoram para acontecer", diz.

O UBS projeta expansão de 2,6% em 2018 e diz que esse ritmo deve ser mantido, "ou mesmo acelerado", por alguns anos. O banco suíço diz em relatório recente que a série de reformas estruturais que o governo pretende implementar deve elevar a taxa de poupança e, consequentemente, o nível de investimentos no País no longo prazo, colaborando para um aumento no PIB potencial.

"A alta nos investimentos pode impulsionar o PIB potencial para entre 2,5% e 3,0%, de aproximadamente 2% atualmente. [...] O significativo nível de capacidade ociosa na economia sugere que o crescimento real do PIB pode superar o PIB potencial por algum tempo sem criar pressão inflacionárias", diz o UBS no documento. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.