Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

3 bancos têm agora mais de 50% dos depósitos no País

A concentração do sistema bancário nacional, que já havia avançado de forma significativa com a fusão de Itaú e Unibanco no início do mês, subiu mais alguns pontos com o anúncio de compra da Nossa Caixa pelo Banco do Brasil (BB), ontem. De acordo com ranking do Banco Central (BC), mais da metade de todo o dinheiro depositado no País ficará nas mãos de apenas três instituições financeiras: Itaú Unibanco, BB Nossa Caixa e Bradesco.Se considerados os cinco maiores bancos do País (Itaú Unibanco, BB Nossa Caixa, Bradesco, Santander Real e Caixa Econômica Federal), a concentração de depósitos sobe para 79%. Em 1994, início do Plano Real, esse índice era de 48%, segundo dados da agência de classificação de risco Austin Rating.?A agitação voltou ao setor bancário como na década de 90. A expectativa é que veremos em breve novos negócios sendo anunciados?, destaca o professor da USP e presidente do Instituto de Ensino e Pesquisa em Administração (Inepad), Alberto Borges Matias, referindo-se às negociações em curso de BB com o Banco Votorantim e o Banco de Brasília (BRB). Além disso, explica o professor, o Bradesco terá de se movimentar para não perder mais espaço. O banco, que era a maior instituição privada do País e a segunda maior no ranking geral, caiu para segundo e terceiro lugar, respectivamente. Em São Paulo, onde era líder no número de agências, ele despencou para o quarto lugar depois das compras do ABN pelo Santander, da fusão entre Itaú e Unibanco e da aquisição da Nossa Caixa pelo BB. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE, Agencia Estado

21 de novembro de 2008 | 08h52

Tudo o que sabemos sobre:
bancosfusões

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.