42% trocaram marca cara por mais barata

No ano passado, essa foi principal saída usada pelo consumidor para economizar; resultado é mais que o dobro do de 2014, diz consultoria

Márcia de Chiara, O Estado de S.Paulo

03 de maio de 2017 | 05h00

Dois anos seguidos de recessão mudaram a forma de o brasileiro consumir itens de alimentação, higiene e limpeza. Em 2016, 42% das famílias trocaram marcas caras pelas mais baratas e essa foi a saída número um apontada pelos consumidores para adequar o consumo à crise.

Os dados fazem parte da pesquisa de painel de consumo da consultoria Nielsen, apresentados ontem na 33.ª edição da feira da Associação Paulista de Supermercados, a Apas Show. A consultoria visita quinzenalmente 8,2 mil lares no País.

“A fatia de domicílios que trocou de marca mais que dobrou em dois anos”, disse Daniela Toledo, responsável pela área de varejo da Nielsen. Em 2014, quando o País entrava na recessão, 20% dos lares trocaram de marca. Ela ressaltou também que, em 2014, quando esse quesito foi levantado, essa era a 6.ª opção usada para economizar.

Além da grande parcela que substituiu marcas, em 2016, 22% dos brasileiros resistiram: compraram menos, mas mantiveram as marcas preferidas. Também 7% reduziram alimentação fora de casa e lazer e 5% diminuíram itens de vestuário.

Equilíbrio. Essa ginástica no consumo levou a um resultado inédito. Após dois anos de as famílias gastarem, em média, mais do que ganham, em 2016 as despesas ficaram equilibradas com a renda média de R$ 3.118. Para atingir esse patamar, em 2016 a renda média familiar caiu 12% e o gasto, 16%.

O ajuste mais forte ocorreu nas camadas de menor renda. A pesquisa mostra que a classe C, que impulsionou o consumo nos últimos anos, reduziu em 2016 em 1,2% o gasto em relação à renda. As classes D e E realizaram um corte de 0,8% nas despesas em relação ao orçamento, nas mesmas bases de comparação. Só a classe de maior renda (A/B) continuou gastando mais do que ganha. Na média geral, a renda voltou ao nível de cinco anos atrás e o gasto caiu mais do que a inflação. Nos dois anos anteriores, as famílias gastavam mais do que tinham e, por isso, se endividavam.

Daniela disse que o ajuste deixou o consumidor mais criterioso na compra. Segundo a Apas, a receita real do setor deve crescer 1,5% este ano, embora tenha caído 1,5% no 1.º trimestre.

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    Nielsen Elias

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.