5,5 mil contêineres parados em Santos

O Porto de Santos tem cerca de 5,5 mil contêineres retidos nos terminais de carga à espera de liberação aduaneira por causa da greve dos auditores fiscais da Receita Federal. O cálculo é da delegacia de Santos do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Unafisco).O número já é 22% maior do que o registrado na semana passada e deve subir para mais de 6 mil unidades de contêineres na próxima sexta-feira, quando haverá nova assembléia dos auditores para votar a continuação do protesto. Por causa disso, o Porto de Santos deveregistrar em junho diminuição sensível do movimento de contêineres de importação e exportação.Além disso, todo o movimento de comércio exterior deve ficar prejudicado. No ano passado, o Porto de Santos foi o responsável pelo escoamento de 24,8% das exportações. Segundo levantamento da Alfândega de Santos, as exportações pelo porto somaram US$ 14,441 bilhões em 2001, volume 6% superior ao de 2000. As importações somaram US$ 13,358 bilhões e ficaram praticamente no mesmo nível do ano anterior.Nesta terça-feira de manhã, os auditores realizaram um ato público em frente à sede da alfândega, no Centro de Santos. A cidade tem cerca de 200 fiscais e 90% aderiram ao protesto. Eles estão liberando rapidamente apenas cargas consideradas especiais, como remédios, alimentos e produtos perecíveis. As demais cargas são encaminhadas para fiscalização física e burocrática rigorosa, o que atrasa o desembaraço principalmente das mercadorias de importação.Segundo o Unafisco, os auditores esperam que o Congresso Nacional vote a Medida Provisória que vai reestruturar os cargos da categoria e determine a elevação dos salários nesta quarta-feira. Uma plenária nacional está prevista para ocorrer na capital federal na próxima quinta-feira. E, na sexta, as bases regionais vão decidir os rumos do movimento, iniciado em abril.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.