52% dos consumidores estão inadimplentes em junho

A situação financeira do consumidor piorou em junho, com o total dos endividados com contas em atraso tendo se elevado em 5 pontos porcentuais, de 47% em maio para 52% este mês. A mesma conta vale para a comparação entre junho deste ano e junho do ano passado, quando os inadimplentes também perfaziam 47%.Os números constam da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), realizada na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomércio-SP). O porcentual dos endividados com suas obrigações em atraso em junho se apresenta como o maior desde o início do levantamento em fevereiro de 2004, quando o que se verificou em dívidas em atraso correspondia a 39% dos contratos firmados.A conclusão a que estes números leva, segundo a assessoria econômica da Fecomércio-SP, é de que a elevação do emprego e da renda não está se mostrando suficiente para dar respaldo à forte expansão do crédito verificada desde o ano passado.Comprometimento da rendaOutro dado depreendido da Pesquisa de Endividamento de Inadimplência em junho diz respeito ao grau de comprometimento da renda do consumidor com dívidas, que ficou em 39%. Se comparado com maio, o porcentual se repete, mas quando se olha o histórico da Peic, este é o pico do comprometimento da renda do consumidor. Taxas de 39% foram verificadas em março, junho de 2004, e agora em maio e junho de 2005.Nível de endividamentoA Fecomércio constatou também em junho o aumento do nível de endividamento do consumidor na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) para 56% ante uma taxa de 53% em maio. Trata-se de uma aceleração de 3 pontos porcentuais no índice, segundo a Peic.De acordo com a assessoria econômica da Fecomércio-SP, a pesquisa leva em conta as dívidas contraídas voluntariamente, como a utilização do limite do cheque especial, despesas pagas com cartões de créditos, empréstimos pessoais e prestações em geral.Para os economistas, o atual nível de endividamento aliado a um pior perfil econômico dos consumidores endividados contribuiu para o aumento da inadimplência, que subiu de 47% em maio para 52% este mês.O pior, de acordo com os analistas da entidade, é que os dados do levantamento indicam que os consumidores que continuam endividados são aqueles que terão maior dificuldade para pagar as contas.Prova disso, segundo os analistas é que 35% dos que estão com suas contas em atraso afirmam que não poderão quitá-las no curto prazo, o maior porcentual desde agosto de 2004, quando 39% dos pesquisados responderam a esta questão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.