64 milhões de pessoas seguirão em extrema pobreza

A pobreza global diminuiu no ano passado, segundo o Banco Mundial, porque muitas economias pobres continuaram crescendo e aumentaram seu peso na produção mundial. Mas 15 milhões de pessoas perderam a chance de sair da extrema pobreza em 2009 e 64 milhões podem perder neste ano. A estimativa foi apresentada ontem pelo economista-chefe do banco, Justin Lin. É considerado em extrema pobreza quem tem renda diária inferior a US$ 1,25. O limite antes era US$ 1, mas a desvalorização da moeda americana tornou necessário o ajuste.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.