68% da meta do 2ºquadrimestre está cumprida, diz Tesouro

Após a divulgação dos resultados do Governo Central de abril, o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, destacou o fato de o governo central já ter cumprido 68% da meta do segundo quadrimestre, que é de R$ 40 bilhões. Segundo ele, já considerando os dados do Banco Central até março e do Tesouro até abril, o superávit realizado até agora é de R$ 27,2 bilhões. O BC divulga os dados de abril na sexta-feira, 31. Não havia meta para o primeiro quadrimestre porque o primeiro decreto de programação orçamentária sofreu atraso na sua divulgação.

ADRIANA FERNANDES E RENATA VERÍSSIMO, Agencia Estado

29 de maio de 2013 | 16h56

Augustin ressaltou também que, em 12 meses, o resultado primário é positivo em R$ 70,1 bilhões nominal, o quarto melhor valor da série histórica. Ele lembrou que a meta do Governo Central para este ano é de R$ 63 bilhões, já considerando um abatimento de R$ 45 bilhões de desonerações e investimentos do PAC. Por isso, o resultado em 12 meses está acima da meta. "Acho que teremos condições de ter um resultado um pouco maior que a meta de R$ 63 bilhões. Ou seja, um abatimento menor que R$ 45 bilhões. Talvez a gente não precise abater todo os R$ 45 bilhões", afirmou. Augustin disse, no entanto, que a possibilidade de abatimento já projeta um superávit primário menor este ano do que em anos em que o Tesouro trabalhou com a meta cheia.

O secretário informou também que o superávit de abril se deve ao aumento das receitas do Tesouro em R$ 21,8 bilhões em relação a março, apesar de as despesas terem crescido R$ 10,46 bilhões. As despesas da Previdência subiram R$ 3,76 bilhões em abril ante março, dos quais R$ 3 bilhões foram pagamento de precatórios e sentenças judiciais.

Augustin chamou a atenção ainda para o aumento nominal de 4,3% das receitas administradas em abril. Ele lembrou que essa é uma boa indicação para as receitas ao longo do ano. A tendência, segundo ele, é positiva para as receitas. O secretário destacou que em fevereiro e março as receitas apresentaram queda nominal. "Esse dado mostra que a tendência é favorável", disse. O secretário previu ainda um aumento de investimentos ao longo do ano. "Reiteramos que estamos trabalhando com um aumento maior das despesas de capital (investimentos)", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.