71% dos brasileiros vão pagar à vista neste fim de ano

Preferência por loja de rua que tem preço menor foi manifestada por 49% dos entrevistados em pesquisa da Boa Vista

MÁRCIA DE CHIARA , O Estado de S.Paulo

29 de novembro de 2014 | 02h00

Comprar em lojas de rua, pagar à vista e principalmente em dinheiro. Esse é o perfil dominante do brasileiro que vai às compras neste fim de ano. Ele mais parece um consumidor à moda antiga do que o de tempos atuais, que geralmente frequenta shoppings e usa meios de pagamentos eletrônicos.

Isso é o que mostra a Pesquisa sobre os Hábitos de Consumo e Compras para Natal e Ano-Novo da Boa Vista SCPC, uma das maiores empresas especializadas em informações de crédito do País. Na consulta de 1.041 pessoas no território nacional, entre os dias 7 de 21 deste mês, 49% dos entrevistados informaram que pretendem comprar em lojas de rua, 29% em shoppings e 22% em centros comerciais. A preferência por lojas de rua sobe para 54% entre os brasileiros que moram na Região Sul e para 52% no Nordeste.

A opção de pagar à vista foi manifestada por 71% dos entrevistados, enquanto 29% informaram que vão parcelar as compras. O dinheiro foi o meio de pagamento escolhido por 56% dos que pretendem comprar à vista, resultado maior do que o obtido em 2013, quando esse meio de pagamento teve 50% da preferência do consumidor.

Segundo o diretor de sustentabilidade da Boa Vista SCPC, Fernando Cosenza, a preferência pelo pagamento à vista e por lojas de rua é fruto do comportamento cauteloso que predomina entre os consumidores. Escaldado pelo excesso de compras nos últimos anos, o brasileiro agora está com o pé no chão. "Ele está mais cauteloso. Esse amadurecimento é um movimento natural", diz ele.

A opção majoritária por lojas de rua normalmente é porque os preços são menores. Além disso, observa Cosenza, o gasto para efetuar a compra também. Já a escolha pelo pagamento à vista é uma forma de reduzir o risco de endividamento.

Fraqueza. A fraqueza estampada nos resultados do terceiro trimestre, quando o Produto Interno Bruto (PIB) ficou praticamente estagnado em relação ao trimestre anterior é o cenário, segundo o diretor da Boa Vista SCPC, que norteia o comportamento do consumidor neste fim de ano. De acordo com a pesquisa, 64% dos entrevistados consideram que a economia do País está pior neste ano em relação ao anterior, enquanto em 2013 essa fatia era de 39%, nas mesmas bases de comparação. Para 2015, metade dos entrevistados acha que a economia vai piorar, ante 34% que tinham essa convicção em 2013 em relação a este ano.

Com esse cenário pessimista, 77% do entrevistados declararam que pretendem gastar menos nas compras de fim de ano, 13% mais e 11% igual. No ano passado, 80% pretendiam gastar menos do que em 2012, 11% mais e 9% a mesma coisa que no ano anterior.

Cosenza explica que o fato de ter aumentado a fatia dos que planejam gastar mais e de ter reduzido a parcela dos que pretendem gastar menos não é incongruente com outros resultados da enquete que mostram maior cautela. A explicação para o desembolso maior é a inflação. "O consumidor sabe que os preços subiram." Com esse cenário cauteloso, a expectativa da Boa Vista SCPC é que o faturamento do varejo no fim de ano, descontada a inflação, cresça 1,5% ante 2013. No ano passado, a alta havia sido de 2,5%.

Tudo o que sabemos sobre:
VarejoEconomiafim de ano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.