coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

81% dizem não acessar redes socias no trabalho

Que tal dar uma espiadinha na sua página de uma rede social durante o trabalho? Ou ficar conectado a ela o tempo todo e sempre responder a uma mensagem de algum amigo? Apesar do uso sempre polêmico desses instrumentos no ambiente corporativo, ele é usado apenas por uma minoria.

O Estado de S.Paulo

12 de maio de 2013 | 02h09

Pelo menos, é o que descobriu uma enquete realizada com 991 profissionais - 38% homens e 62% mulheres - pela empresa Trabalhando.com em seu site. O resultado mostrou que 81% deles dizem que não acessam as redes sociais enquanto estão no trabalho, ou seja, apenas 19% afirmam utilizar.

O levantamento ainda apontou que para 51% dos entrevistados não há como conciliar o trabalho e o uso das redes sociais ao mesmo tempo. Outros 13% afirmam que é importante fazer algumas pausas durante o dia para acessar seu perfil na web e relaxar um pouco.

Livre arbítrio. Para 36% dos entrevistados, o uso ou não das redes depende do profissional e de como ele administra seu tempo. Para o diretor-geral da Trabalhando.com, Caio Infante, o uso das redes sociais no trabalho mostra-se uma questão muito particular. "Existem pessoas que conseguem conciliar os dois sem nenhum problema, já outros que passam o dia todo nas redes e não conseguem produzir", alega o executivo.

De acordo com ele, o gestor deve observar e descobrir como cada profissional rende mais no trabalho.

"Bloquear o acesso dos funcionários às redes pode ser bom para o rendimento de alguns, mas outros podem se sentir incomodados por ter essa liberdade tolhida e isso também pode prejudicar o trabalho", afirma.

Infante acrescenta: "Vale a penas avaliar o perfil da empresa e dos seus colaboradores para decidir a liberação ou o bloqueio das redes".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.