Joédson Alves/EFE
O presidente do banco Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães Joédson Alves/EFE

9 milhões de pessoas saberão hoje se vão receber o auxílio emergencial, diz Caixa

Até agora, 36 milhões de pessoas solicitaram o benefício pelo aplicativo da Caixa

Fabrício de Castro e Emilly Behnke, O Estado de S.Paulo

16 de abril de 2020 | 13h18

BRASÍLIA - O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, afirmou nesta quinta-feira, 16, que, a partir das 18 horas de hoje, 9 milhões de pessoas que realizaram seu cadastro na última semana, para recebimento do auxílio emergencial, poderão saber se receberão, de fato, o benefício.

Serão 9 milhões do total de 36 milhões que solicitaram o benefício. Conforme Guimarães, 3,5 milhões de pessoas deste total de 9 milhões receberão o depósito ainda hoje; 1,5 milhões receberão até o próximo sábado; e 4,2 milhões de pessoas, que não tinham conta em banco, terão o depósito até a segunda-feira, 20.  

Guimarães e o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, concederam entrevista coletiva nesta quinta, no Palácio do Planalto, sobre os detalhes do pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 para brasileiros de baixa renda, durante a crise provocada pela pandemia do novo coronavírus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Governo deve recorrer da decisão que tirou exigência de CPF regularizado para auxílio, diz Onyx

Regularização do CPF é uma das exigências do governo para a pessoa receber o pagamento de R$ 600

Fabrício de Castro e Emilly Behnke, O Estado de S.Paulo

16 de abril de 2020 | 13h12

BRASÍLIA - O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, afirmou nesta quinta-feira, 16, que, na opinião dele, o governo deve recorrer da decisão da Justiça que derrubou exigência para beneficiários do auxílio-emergencial de R$ 600 apresentarem Cadastro de Pessoa Física (CPF) regularizado.

A regularização do CPF é uma das exigências do governo para a pessoa receber o pagamento. O auxílio, voltado para trabalhadores informais, faz parte das medidas do governo para tentar amenizar o impacto econômico da pandemia do novo coronavírus.

Nesta quarta, 15, a exigência da regularização do CPF foi derrubada por decisão do juiz federal Ilan Presser, do Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF-1).

Em todo o país, foram registradas nos últimos dias filas de pessoas que buscam regularizar o CPF para obter o auxílio-emergencial. Para Onyx, o fim da exigência pode criar uma "porteira aberta" para fraudes nos pagamentos do benefício.

"O Ministério da Cidadania trabalha, conversei com [o ministro da Justiça, Sergio] Moro, com o [Ministério da] Economia, com a Receita Federal para que a AGU (Advocacia-Geral da União), nosso posicionamento no sentido de que a AGU recorra dessa decisão, porque toda e qualquer operação no sistema financeiro brasileiro é baseado na identificação da pessoa dada pelo CPF", afirmou o ministro em uma entrevista coletiva no Palácio do Planalto.

"Se tirar isso [exigência de CPF regularizado] vamos oferecer uma porteira aberta para fraude. É rapidamente montada, numa unidade prisional, uma usina de fraude. Daí o dinheiro, que deveria ir para quem precisa, vai para bandido", completou Onyx.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Pagamento de auxílio emergencial será feito por outro aplicativo: o Caixa Tem

Segundo presidente da Caixa, nova versão do aplicativo para cadastramento será disponibilizada; a versão permitirá que pessoas com problemas no CPF em função de pendências eleitorais possam fazer o cadastramento normalmente

Fabrício de Castro e Emilly Behnke, O Estado de S.Paulo

16 de abril de 2020 | 13h23

BRASÍLIA - O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, esclareceu nesta quinta-feira, 16, que para o pagamento do benefício será preciso baixar outro aplicativo do banco: o Caixa Tem. “Um aplicativo é de cadastramento. Nele, as pessoas colocam seus dados. A partir disso, a Caixa envia para o Ministério da Cidadania e a Dataprev, para fazer a verificação”, explicou Guimarães. “Quando recebemos (a confirmação), o pagamento não é feito pelo aplicativo de cadastramento, mas pelo aplicativo de pagamento, o Caixa Tem”, acrescentou.

Guimarães ressaltou que para o cadastramento só existe um aplicativo: o Caixa Auxilio Emergencial. “Qualquer outro é fraude”, afirmou. Segundo ele, uma nova versão do aplicativo para cadastramento estará disponível a partir de segunda-feira. A nova versão permitirá que pessoas com problemas no CPF em função de pendências eleitorais possam fazer o cadastramento normalmente.    

“Como algumas regras mudaram, haverá uma nova versão”, disse Guimarães. “Antes a pessoa não poderia ter o CPF (cadastrado) caso tivesse problema com eleição. Agora, isso mudou.”

Guimarães estimou que 12 milhões de CPFs foram liberados para cadastramento por conta deste ponto. Os CPFs, no entanto, ainda precisarão ser validados pela Dataprev, seguindo todo o procedimento estabelecido. “Como já fizemos 36,7 milhões (de cadastros), realizar mais 5, 10 ou 12 milhões já entrou na esteira”, disse Guimarães. 

O presidente da Caixa também voltou a recomendar que as pessoas tentem resolver todas as pendências por canais eletrônicos disponibilizados pela Caixa. “A intensidade de pagamentos realizada é muito grande. Temos uma preocupação enorme com a população, com os funcionários da Caixa. Neste momento, ir às agências, só em último caso”, afirmou.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.