Jefferson Bernardes/Estadão
Jefferson Bernardes/Estadão

‘A aviação virou o nosso plano B’, dizem pilotos desempregados

Sem emprego, irmãos abriram hamburgueria

Marina Gazzoni, O Estado de S. Paulo

07 de maio de 2016 | 18h00

Os irmãos Marcelo e Andreas Schlüter, de 26 e 21 anos, queriam seguir a profissão do pai, que foi piloto da Varig e atualmente é comandante da Gol. O pai investiu R$ 140 mil em horas de voos para preparar os dois filhos para a atividade. O mais velho, Marcelo, tem licença de piloto privado e comercial, foi aprovado na prova da ICAO (Organização da Aviação Civil Internacional, na sigla em inglês) e finalizou o treinamento para jatos da Boeing. Depois de oito meses procurando emprego na aviação, decidiu empreender. “Tinha todos os requisitos para entrar em uma linha aérea. Mas não tinha vaga, então abri um negócio para não ficar parado.”

Marcelo convenceu o irmão mais novo a lhe ajudar numa nova empreitada: vender hambúrguer gourmet. Os dois comeram o “hambúrguer dos sonhos” em uma viagem de família para os Estados Unidos. Conseguiram convencer o dono do restaurante a lhes ensinar a receita. Voltaram para Canoas, na região metropolitana de Porto Alegre, e começaram a The Bronx Burger na cozinha de casa, em setembro do ano passado. O delivery dos irmãos Schlüter deu certo. Hoje, vendem em média 140 sanduíches por dia e estão prestes a abrir uma lanchonete. “Começamos como algo provisório, até a aviação melhorar, mas o negócio tomou uma proporção que não esperávamos”, disse Marcelo. “Hoje, a hamburgueria é o nosso plano A e a aviação é o plano B. Se a hamburgueria não der certo, podemos voltar a procurar emprego como piloto”, disse Marcelo.

Andreas parou o curso de piloto quando viu que o irmão mais velho não conseguia emprego na área e decidiu empreender junto com ele. Com a loja física, que deve ser inaugurada nos próximos dias, eles esperam ganhar mais do que ganhariam no início de carreira da aviação, como copilotos – um salário estimado em R$ 7 mil.

O pai dos meninos, o comandante Cesar Schluter, diz que jamais largará a aviação, mas apoia os filhos na hamburgueria. Além do curso de piloto, insistiu para que eles também fizessem faculdade de Administração, conselho que foi atendido. “Aviação é uma área cativante, mas tem seus altos e baixos. Na época que a Varig quebrou, fiquei meses sem receber salário e minha família viveu um período muito difícil. É bom que os meninos tenham alternativa.”

Mais conteúdo sobre:
aviação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.