À beira do calote, reunião da Argentina em NY termina sem acordo

Esgota nesta quarta, 30, o prazo para o pagamento de US$ 1,3 bilhão aos fundos credores dos Estados Unidos

Altamiro Silva Junior, O Estado de S. Paulo

30 de julho de 2014 | 09h12

NOVA YORK - A última reunião da Argentina para discutir o pagamento de sua dívida terminou no início da madrugada sem acordo e com a promessa de as conversas serem retomadas ao longo desta quarta.

"Tivemos uma reunião com as partes e entramos em intervalo. Seguimos trabalhando com toda a seriedade que tem a questão", disse o ministro da Economia da Argentina, Axel Kicillof, em uma rápida entrevista à imprensa após o encontro.

Termina nesta quarta-feira, 30, o prazo para a Argentina pagar US$ 1,3 bilhão aos fundos credores dos Estados Unidos, conforme determinou a Suprema Corte do país no último dia 16 de junho. O governo do país corre contra o relógio para evitar seu segundo default desde 2002.

Kicillof se reuniu em Nova York com o advogado Daniel Pollack, nomeado pelo juiz federal Thomas Griesa para ser o mediador das conversas entre a Casa Rosada e os fundos norte-americanos na tentativa de evitar um calote. A reunião com o ministro durou cinco horas. Antes, no final da manhã de terça-feira, outros funcionários do ministério da Economia da Argentina estiveram reunidos com Pollack por cerca de três horas.

Kicillof não deu detalhes da reunião que vai acontecer nesta quarta-feira e nem o horário. Apenas frisou que as conversas vão continuar. O ministro também não revelou o tom das conversas.

A delegação argentina, encabeçada pelo ministro da Economia, Axel Kicillof, dá continuidade nesta quarta-feira às negociações. (Com Reuters)

Tudo o que sabemos sobre:
ArgentinaCrise Financeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.