A briga acirrada pelos ativos da Fox

Disney chamou seus acionistas para decidir sobre a aquisição em julho, mas Comcast ainda disputa a empresa

Brooks Barnes*, The New York Times

04 Junho 2018 | 05h00

LOS ANGELES - A gigante do entretenimento Fox já tem uma data para que seus acionistas votem seu plano de US$ 52,4 bilhões para vender a maior parte de seus ativos para a Walt Disney Co. Uma reunião especial de acionistas foi marcada para o dia 10 de julho, no New York Hilton Midtown, em Manhattan. Os acionistas da Disney também darão seu veredicto para a estratégia no mesmo dia, a apenas 12 quarteirões de distância, no New Amsterdam Theater.

Essa definição aumenta a pressão sobre o grupo Comcast, que soltou um comunicado à imprensa há cerca de duas semanas afirmando que “está analisando e se encontra em um estágio avançado de preparação de uma oferta para os negócios da Fox, que esta concordou em vender para a Disney.” 

A Comcast tem aguardado para tornar pública a sua oferta. O pagamento seria feito todo em dinheiro e com ágio. O objetivo é ficar com todas as ações da Disney. Essa proposta ficaria válida até que a Justiça americana decida se permitirá ou não que a operadora AT&T concretize a compra da Time Warner, em um negócio de mais de US$ 85 bilhões, anunciada no ano passado. 

++ ‘O brasileiro quer assistir a mais séries nacionais’

A decisão sobre a união de AT&T e Time Warner está prevista para 12 de junho em uma corte dedicada a decidir assuntos relacionados à proteção da concorrência. A Comcast acredita que um desfecho favorável para a AT&T iria diminuir preocupações dos reguladores do país a respeito de uma potencial associação entre ela e a Fox, de Rupert Murdoch.

Disputa. A Disney, no entanto, tem uma vantagem inicial, pois seu negócio com a Fox foi apresentado em dezembro. Além disso, o grupo também teve tempo para se preparar caso a oferta precise ser modificada e a Disney seja obrigada, no fim das contas, a ficar com todas as ações da Fox.

Essa movimentação da Disney em relação a uma possível mudança do desenho da aquisição da Fox foi confirmada por uma fonte próxima à negociação, que falou sobre condição de anonimato à rede de televisão americana CNBC. Um porta-voz da Disney se recusou a comentar o caso.

Na quarta-feira, a 21st Century Fox admitiu o interesse renovado da Comcast por seus ativos. A Comcast havia feito uma oferta no outono do ano passado, que a Fox rejeitou por causa de preocupações com órgãos reguladores. 

Agora, no entanto, a posição parece ter mudado um pouco. A Fox disse que a reunião especial de acionistas relativa à oferta da Disney poderia ser adiada ou suspensa se uma nova proposta exigir legalmente que a companhia envie a seus acionistas material ou informações complementares.

Streaming. Dentro do acordo com a Disney, a Fox está vendendo participações em duas gigantescas fornecedoras de televisão no exterior: a Sky, da Grã-Bretanha, e Star, da Índia. A Fox também é uma das principais sócias do serviço de streaming Hulu, um dos principais concorrentes das gigantes Netflix e HBO nos Estados Unidos, que é dono de propriedades como a série vencedora do Emmy, The Handmaid’s Tale (O Conto da Aia). O Hulu, até agora, não anunciou planos de expansão para além do território americano.

Outro canal que estaria no pacote seria o FX, voltado para produções de alto nível e dona de séries como American Horror Story e American Crime Story. Uma série de emissoras dedicadas à natureza, unidas pela marca National Geographic, também passaria a fazer parte dos domínios da Disney.

Além disso, uma cadeia de 22 redes regionais de TV a cabo dedicadas ao esporte está incluída no acordo, ainda que canais ligados à Fox Sports não estejam contemplados.

Do lado da produção, a Disney herdaria ainda 30 séries de televisão que atualmente estão em fase de produção na Fox. O grupo de Rupert Murdoch também é sócio da Endemol Shine Group, conhecida por ser dona do formato de diversos reality shows vendidos e transmitidos mundo afora. 

Por fim, em um momento em que todos os esforços dos estúdios estão concentrados em televisão, a Disney também passaria a controlar a holding de cinema da Fox – que inclui a 20th Century Fox e a divisão de arte, Fox Searchlight. No processo, passaria a decidir o futuro de franquias como Avatar e X-Men.

Interesse. Embora seja obrigada a ficar com toda esse negócio de produção e distribuição nos Estados Unidos, a Comcast não está particularmente interessada nessa estrutura. A maior fornecedora de televisão a cabo e banda larga em território americano está de olho em ativos internacionais da Fox. 

Tanto é assim que a Comcast fez uma oferta de US$ 31 bilhões no último mês para ficar com 100% da operadora britânica Sky. A companhia é dona de 39% do negócio e está assediando a 21st Century Fox para ficar com o porcentual restante.

Para complicar a situação, a Fox também está fazendo lances por essa parte da Sky. Se a Fox avançará ou não, isso depende de uma decisão do governo britânico que deve sair dia 13 de junho. 

*Tradução de Claudia Bozzo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.