Imagem Adriana Fernandes
Colunista
Adriana Fernandes
Conteúdo Exclusivo para Assinante

A caótica definição da meta fiscal

O maior erro do ministro da Fazenda foi ter deixado o governo colocar na mesma mesa da negociação econômica os aliados políticos

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

15 Agosto 2017 | 17h50

Os desencontros do governo na definição da nova meta fiscal chegaram ao estágio mais avançado de desorganização. Desde a semana passada, quando ficou evidente que a Fazenda realmente entregaria os pontos na questão de manter em R$ 139 bilhões o rombo para este ano e em R$ 129 bilhões o saldo negativo do ano que vem, os sinais emitidos ao mercado já eram muito confusos.

O maior erro do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, foi ter deixado o governo colocar na mesma mesa da negociação econômica os aliados políticos. O imbróglio só aumentou e, consequentemente, a retaliação dos aliados. A mistura da economia e política nesse nível de decisão vai custar caro à toda equipe econômica.

Vide as declarações iradas do senador Aécio Neves (PSDB-MG), contra a mudança da meta fiscal após reunião com o presidente Michel Temer. O senador engrossa o coro de políticos mineiros que tentam suspender o leilão de venda de quatro usinas da Cemig. Hoje, o próprio governo, como mostrou o Broadcast, indicou que o leilão está mantido, o que provocou a ira do senador tucano.

A discussão política, de última hora, em torno do tamanho do rombo – que tende a ficar mesmo em R$ 159 bilhões para os dois anos – piorou o cenário. Em idas e vindas, reuniões no Planalto, conversas em gabinetes, vazamentos de cifras distintas, o anúncio foi sendo sucessivamente adiado. Mas nada se compara ao dia de hoje.

Primeiro, o ministro Henrique Meirelles declarou que a divulgação ficaria para amanhã. Ao longo do dia, fontes da Fazenda disseram que poderia ser hoje mesmo, no meio da tarde. Depois veio o anúncio oficial: marcada a entrevista coletiva para amanhã, às 10 horas. Há pouco, uma convocação em cima da hora para o anúncio oficial, às 18 horas. Diante de tamanha confusão, fica até difícil prever o que pode ocorrer na definição da política fiscal.

Este, definitivamente, não é o caminho que o governo buscava para dar previsibilidade ao mercado.

Mais conteúdo sobre:
Henrique Meirelles

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.