‘A carreira é uma maratona, não uma corrida de 100 metros’

Para Lionel Ramirez, CEO da GE Iluminação América Latina, mudar muito de função e empresa é erro 

23 de agosto de 2010 | 15h12

O mexicano Lionel Ramirez está há dois anos à frente das operações de Lighting & Industrial da GE na América Latina. Formado em engenharia industrial e sistemas, entrou na GE em 2001, como gerente global de commodities em Kentucky, nos EUA. Quatro anos depois, foi nomeado gerente geral da GE no México, até tornar-se CEO, em 2008. Atualmente, mora em Miami, de onde comanda 1,5 mil funcionários em 14 países da América Latina e Caribe. Mas já está de malas prontas para se mudar para São Paulo nos próximos meses.

O sr. já tinha o objetivo de tornar-se líder da empresa?

Eu sempre quis comandar um negócio. Acredito que qualquer pessoa que deseja se tornar um líder deve se especializar em uma área antes de assumir outras responsabilidades. Nesses anos na GE, eu busquei me especializar na área de compras, onde comecei, para então exercer outras atividades.

O sr. se preocupa em formar novos líderes?

Sim. Uma das maiores responsabilidades de um líder é desenvolver outras pessoas e, hoje, nós temos um programa de desenvolvimento dentro da GE voltado para isso.

Qual o perfil que o líder do futuro deve ter?

Há três quesitos importantes: talento, experiência profissional para o cargo e atitude. Creio que os executivos são as pessoas que têm todos esses componentes, com uma atitude positiva e empreendedora para fazer as coisas acontecerem.

É possível aprender a ter essa atitude?

É algo que todos podem desenvolver. No caso de um profissional já contratado pela empresa, nós criamos situações para que a pessoa desenvolva valores e habilidades que a companhia preza.

O que poderia destacar de aprendizado a partir de erros que possa ter cometido na carreira?

Saber identificar algumas oportunidades do mercado com rapidez, principalmente no âmbito local. Trabalhar em uma grande empresa como a GE é muito bom para ter esse aprendizado.

Qual a sua dica para quem está começando?

Um dos erros que eu vejo os jovens cometerem é mudar muito de função e de empresa. As pessoas devem encontrar aquilo pelo que elas são apaixonadas, porque uma carreira é uma maratona e não uma corrida de 100 metros. Por isso, no começo, o profissional deve dominar alguma função para, no futuro, ter outras experiências. É melhor do que ter dez anos de experiência em dez lugares e dez posições diferentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.