finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

''''A Claro ainda quer a liderança''''

Segundo presidente da empresa, passar a Vivo é questão de tempo

Nilson Brandão Junior, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2022 | 00h00

Apesar da compra da Telemig e da Amazônia Celular, que isolou a Vivo na liderança do mercado de celular, a Claro mantém a meta de alcançar o primeiro lugar no setor. ''''A gente vai ser líder, é uma questão de tempo'''', disse ao Estado o presidente da Claro, João Cox. A empresa hoje é a terceira colocada, atrás ainda da TIM.Conforme dados da Agência Nacional de Telecomunicação (Anatel) relativos a junho, a Vivo detinha 28,4% de participação de mercado, fatia que chegava a 32,9%, levando em conta as participações da Telemig e da Amazônia Celular. Ontem, a Vivo aprovou a compra do controle das duas operadoras. Já a Claro era dona de 24,6% de participação no mercado.A diferença entre a Claro e a Vivo, mais as duas operadoras regionais, está em 8,3 pontos porcentuais. Sem a Telemig e a Amazônia, a diferença é menor, de 3,8 pontos. Em maio do ano passado, contudo, a distância era mais ampla. A Vivo detinha 32,9% do mercado e a Claro, 22,2% - uma diferença de dez pontos porcentuais.O presidente da Claro explica que se ''''alguém compra alguma empresa demora um pouco mais (a alcançar a liderança)'''', mas confirma que a estratégia é buscar o primeiro lugar. ''''Muda a tática, mas não a estratégia'''', comenta o executivo. Cox assumiu o cargo em agosto de 2006.A Claro chegou a ser a segunda colocada no mercado até o segundo trimestre de 2005 e passou para a terceira colocação em seguida. De forma geral, Cox informa que a empresa tem uma estrutura enxuta e vem reposicionando a marca no mercado. Entre julho de 2006 e julho deste ano a fatia de mercado da empresa subiu de 22,87% para 24,67%.Na avaliação de consultores, a Claro deverá ser ainda mais agressiva comercialmente e a tendência é que comece a oferecer o padrão de terceira geração (3G), que permite a transmissão de dados em alta velocidade, com as licenças que já detém. O executivo preferiu não comentar as especulações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.