Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

A CNI condena o modelo de estímulos ao consumo

Ao divulgar anteontem as suas projeções para a economia, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) criticou o modelo econômico que privilegia o consumo. Há muito tempo vimos alertando para o risco dessa política de estimular o consumo doméstico a ponto de a indústria interna não poder acompanhá-lo, o que leva ao aumento das importações.

O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2011 | 03h08

Esse modelo parecia agradar até agora ao setor manufatureiro, mas levou paulatinamente a um processo de desindustrialização que se amplifica a cada ano.

Se o governo estimula a demanda, cabe à indústria oferecer produtos a preços cada vez mais atraentes e com um conteúdo tecnológico mais avançado. Para responder a esses dois requisitos, a indústria doméstica chegou à conclusão de que devia importar, tanto os componentes produzidos no exterior a um preço muito baixo quanto produtos acabados que respondam à ultima modernização. Isso, no entanto, leva a indústria nacional a se transformar apenas em montadora, deixando de lado a busca da inovação e aceitando o princípio de que grandes empresas no exterior estão mais aptas para oferecer o mais recente avanço tecnológico.

Com o tempo desaparecem as empresas que produzem componentes, enquanto a indústria final não se anima a realizar investimentos para criar inovações importantes, seja em processos, seja em produtos. Pouco a pouco, a indústria brasileira está se marginalizando e se vendo expulsa do mercado internacional, que, embora marginal, é importante para ela.

A CNI continua pessimista para 2012, prevendo que o PIB da indústria terá crescimento de 2,3%, com o PIB nacional crescendo 3% e o consumo das famílias aumentando 4% - que, numa economia equilibrada, não deveria ser superior ao aumento do PIB nacional. Continuará a haver, assim, um descasamento entre oferta e demanda, que, na visão do Banco Central, representa um dos fatores mais relevantes na criação de pressões inflacionárias.

Essas projeções econômicas foram apresentadas anteontem, mas no dia seguinte a CNI divulgou seu Índice Nacional de Expectativa do Consumidor, que em dezembro permanece estável, com uma preocupação em relação ao desemprego aumentando nos dois últimos meses. A CNI considerava que o desemprego continuaria muito baixo e que a demanda doméstica permanecerá alta em vista do novo salário mínimo e da redução da taxa de juros. Isso, no entanto, não será sentido na produção industrial, mas, sim, na importação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.