INFOGRAFICOS/ESTADAO
INFOGRAFICOS/ESTADAO

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

A economia fraqueja

Há muito não se via uma sexta-feira com essa concentração de notícias ruins na área econômica

Celso Ming, O Estado de S.Paulo

19 de junho de 2015 | 21h00

Há muito não se via uma sexta-feira com essa concentração de notícias ruins na área econômica - e não se fala aqui das novas prisões de empreiteiros pela Operação Lava Jato.

É inflação ainda mais alta, mais queda na atividade econômica e aumento do desemprego.

A inflação medida pelo IPCA-15 saltou para 0,99%, uma esticada surpreendente, que não estava no radar de nenhum analista (veja o gráfico).

Para quem não está familiarizado com essas siglas, IPCA-15 é o mesmo que o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo): mede o custo de vida, que serve de base para a definição do tamanho dos juros pelo Banco Central. A diferença é a de que, no IPCA-15, o período de 30 dias não é o de calendário (caso do IPCA). É medido a partir da metade de um mês à metade do mês seguinte - daí o 15. O índice de junho mostra que, apesar da forte contração da atividade econômica, dos juros aos 13,75% ao ano e do desemprego, a inflação continua subindo. Em 12 meses, está encostando nos 9,0%.

No mês, a alta está mais forte na área de despesas pessoais (1,79%) e alimentos (1,21%). Uma explicação para isso é a que foi avançada aqui na edição do dia 11: como o poder aquisitivo está caindo pela inflação e pelo desemprego, o consumidor já não está mais comprando veículos e aparelhos domésticos. Sobra um dinheirinho para mais alimentação e cuidados pessoais. Daí a maior demanda que aumenta os preços.

Também foi divulgado ontem o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), que se propõe a funcionar como uma prévia do avanço do PIB. A queda verificada em abril (ante março) foi de 4,68% que, uma vez feitos os ajustes sazonais, aponta queda de 0,84%. Nos primeiros quatro meses do ano o recuo é de 2,48% e no período de 12 meses, de 1,38%.

Economia ainda mais fraca produz um impacto mais forte sobre as contas públicas, porque a arrecadação tende a mergulhar. E o enfraquecimento ainda maior das contas públicas traz as consequências funestas já conhecidas.

A terceira notícia ruim de ontem foi o desempenho do mercado de trabalho medido pelo Caged, o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, que registra contratações e dispensas de pessoal com carteira de trabalho assinada. Em maio, verificou-se queda de 115,6 mil postos de trabalho, o primeiro mês de maio negativo desde 1992, quando foi iniciada a série histórica.

Tudo isso não começou no mês passado. É consequência da política desastrosa adotada no primeiro governo Dilma, que dizimou a matriz macroeconômica. A temporada é de ajustes - como se sabe. Mas, além de dolorosos, esses ajustes parecem insuficientes para reequilibrar a economia dentro do prazo proposto pelos atuais ministros da área. As análises já vêm empurrando o início da recuperação não mais para o terceiro trimestre, mas, quem sabe, para o quarto ou, até mesmo, para o ano que vem.

O Banco Central, que não passa firmeza na expectativa de que entregue a inflação à meta de 4,5% até o fim de 2016, tem ainda menos razões para desacelerar o ritmo de aperto dos juros.

CONFIRA:

Aí está a evolução do comportamento do emprego formal no Brasil.

Causa e efeito

A forte queda do nível de emprego formal da economia pode ser entendida como indício de que o ajuste está funcionando. Por mais que se lamente a perda de empregos, não é possível fazer omeletes sem quebrar os ovos. Esse tranco chegará também aos preços. Mais cedo ou mais tarde, a demanda cairá a ponto de obrigar os agentes econômicos a reduzir substancialmente a remarcação dos preços tanto no varejo como no atacado. Juros altos preveem esse efeito.

Tudo o que sabemos sobre:
Celso MinginflaçãoPIBdesemprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.