Estadão
Estadão
Imagem Luiz Carlos Trabuco Cappi
Colunista
Luiz Carlos Trabuco Cappi
Conteúdo Exclusivo para Assinante

A educação precisa vir em primeiro lugar

Precisamos que nossas escolas formem profissionais aptos a lidar com a economia moderna, marcada por inovações, eficiência e empreendedorismo

Luiz Carlos Trabuco Cappi*, O Estado de S.Paulo

06 de dezembro de 2021 | 05h00

Esta é a segunda vez que abordo o tema da educação. Quando tratei do assunto em novembro do ano passado, a pandemia aproximava-se do momento mais crítico, as escolas estavam fechadas e a educação se deu a distância, pela internet. Num país marcado por desigualdades, como é o nosso, muitas crianças e jovens tiveram dificuldades para acompanhar as aulas remotas. É algo cujas consequências só poderemos avaliar, em toda a sua extensão, daqui a algum tempo.

A pandemia arrefeceu e as aulas presenciais voltaram, mas a questão do ensino continua premente. Entre todas as mudanças sociais e econômicas de que o Brasil necessita, uma educação melhor e mais inclusiva ocupa o primeiro lugar. Não dar a ela caráter de urgência é deixar que o País se atrase.

Precisamos que nossas escolas formem profissionais aptos a lidar com a economia moderna, marcada por inovações, eficiência e empreendedorismo. As empresas estão hoje sob o desafio da sua rápida transformação digital.

A educação de qualidade e acessível será o pilar para que as novas gerações estejam capacitadas a avaliar problemas e soluções. E, principalmente, para formar pessoas que entendam as exigências contemporâneas, como o respeito ao meio ambiente, a diversidade, a redução das desigualdades, o exercício pleno de direitos e responsabilidades, além da ética em todos os aspectos da vida. Além disso, que sirva para construir uma nação mais justa e mais harmônica.

Várias reformas econômicas estão em curso no Congresso. Todas objetivam o progresso do País e merecem elogios. Seria extraordinário se também a educação fosse contemplada com medidas estruturantes.

Reformas podem resolver questões fiscais, tributárias ou administrativas. Mas, isoladamente, não serão capazes de promover um crescimento vigoroso e sustentável. É preciso acrescentar nessa receita a formação de profissionais qualificados, e uma sociedade de pessoas que exerçam integralmente as potencialidades da cidadania.

Todos precisam colaborar para a educação. Nessa perspectiva, faço menção aqui ao aniversário de 65 anos da Fundação Bradesco, criada em 1956 por Amador Aguiar, para oferecer educação gratuita e de alta qualidade a crianças e jovens carentes. Hoje, o legado de Amador Aguiar é a maior rede de ensino privado gratuito do País. Suas 40 escolas, localizadas nos 26 Estados e no Distrito Federal, educam anualmente mais de 40 mil alunos. É demonstração viva de que, com energia e empenho, é possível realizar, renovar e consolidar sonhos.

*PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO BRADESCO. ESCREVE A CADA DUAS SEMANAS

Tudo o que sabemos sobre:
educaçãoBradescoCongresso Nacional

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.