A empresa deve ter gestão profissional

Wilson Poit passou a infância no escuro. Sua casa, na pequena cidade de Rinópolis, no interior de São Paulo, não era abastecida pela rede elétrica. A ausência de eletricidade na vida do menino talvez ajude a explicar sua fascinação pelo assunto. Por isso, quando Wilson resolveu prestar vestibular na capital, escolheu a carreira com facilidade: engenharia elétrica. E hoje, aos 52 anos, seu trabalho curiosamente consiste em garantir que não falte luz para ninguém.

, O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2011 | 00h00

Wilson é dono da Poit Energia, empresa de locação de geradores que fatura R$ 160 milhões por ano, emprega 430 funcionários, atua em outros quatro países da América Latina e pretende abrir capital na Bovespa. Para atingir esse desempenho, entretanto, o empresário teve de superar a infância pobre, mas também as perdas causadas por três negócios que fracassaram.

Na primeira tentativa, uma empresa de instalações elétricas aberta em 1985, Wilson achava que seu conhecimento técnico bastaria para o empreendimento ser bem sucedido. Puro engano. "A empresa dependia muito de mim, e o problema é que não sou bom em gestão", admite.

O negócio foi encerrado e, em 1988, Wilson decidiu voltar às raízes e trabalhar no campo. Comprou um sítio em Rinópolis para produzir frutas, mesmo sem entender nada da cadeia de alimentos. "Eu nem sequer tinha um plano de negócios", lembra. A empresa durou três anos.

Em 1991, Wilson abriu, então, uma loja para vender material elétrico e hidráulico. A empresa não ia mal, mas também não decolava. "Não tínhamos escala, então o negócio não saía do lugar." Em 1995, o empresário fechou as portas e aprendeu a lição: para ser bem sucedido, teria de abrir uma empresa em que pudesse crescer bastante.

Foi com essa bagagem que Wilson criou a Poit. "As experiências anteriores me mostraram que o empreendedor deve se cercar de profissionais muito bons, delegar tarefas, se não a empresa não cresce. E deve ter uma gestão profissional, transparente, que inspire confiança nos clientes e fornecedores."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.