À espera de indicador do trabalho dos EUA, Bovespa sobe 0,58%

Vale e siderúrgicas puxaram os ganhos que ainda tiveram uma mãozinha da Petrobrás, que subiu na ação PN

Claudia Violante, da Agência Estado,

03 de setembro de 2009 | 17h34

À espera do relatório do mercado de trabalho norte-americano, nesta sexta-feira, 4, a Bovespa teve um pregão sem sal nesta quinta-feira, 3. O principal índice à vista trabalhou colado às bolsas norte-americanas, ampliando as perdas no finalzinho da tarde. Vale e siderúrgicas puxaram os ganhos que, no final, ainda tiveram uma mãozinha da Petrobrás, que virou para cima na ação PN, a mais líquida.

 

A Bolsa encerrou a quinta-feira em alta de 0,58%, aos 55.707,17 pontos. Na mínima do dia, registrou 55.339 pontos (-0,08%) e, na máxima, os 55.888 pontos (+0,91%). No mês, acumula baixa de 1,38% e, no ano, alta de 48,35%. O giro financeiro totalizou R$ 4,514 bilhões. Os dados são preliminares.

 

Os investidores até tinham um bom motivo para subir: as bolsas chinesas deram um salto nesta sessão, com os comentários de que Pequim dará suporte ao mercado acionário após as fortes vendas verificadas no mês passado, e as declarações do órgão regulador de que poderá diminuir o ritmo do lançamento de IPOs. O índice Xangai Composto ganhou 4,8% e o índice Shenzhen Composto subiu 5,5%.

 

Outra boa justificativa veio da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que afirmou que a economia global está emergindo de sua pior depressão desde a Segunda Guerra Mundial mais rapidamente do que a entidade havia previsto há três meses. A OCDE prevê agora que o PIB do G-7 irá contrair-se 3,7% este ano; a previsão anterior era de queda de 4,1%.

 

Tais notícias até incentivaram uma abertura em alta nas bolsas norte-americanas, ainda sustentadas pelos indicadores mistos conhecidos hoje. Os índices até operaram em baixa em alguns momentos do dia, mas os investidores resolveram guardar o fôlego para amanhã, quando saem os dados do payroll, para o qual a previsão é -233 mil postos de trabalho.

 

Nesta quinta-feira, o Departamento do Trabalho informou que os novos pedidos de auxílio-desemprego feitos na semana passada caíram 4 mil, abaixo da previsão dos economistas de um recuo de 5 mil. Já o índice de atividade do setor não-industrial (serviços) dos EUA subiu de 46,4 em julho para 48,4 em agosto, acima da previsão de 48, mas abaixo dos 50, que é quando o dado passa a indicar expansão da atividade.

 

Outro indicador da atividade no país veio do varejo, onde várias redes anunciaram queda nas vendas em agosto no conceito mesmas lojas - unidades abertas há um ano ou mais. No entanto, algumas grandes lojas, como Target, Gap e Khol's, superaram as expectativas dos analistas. Em todo o setor, as vendas caíram pelo 12º mês seguido.

 

O Dow Jones terminou o dia em alta de 0,69%, aos 9.344,61 pontos, o S&P avançou 0,85%, aos 1.003,24 pontos, e o Nasdaq registrou ganhos de 0,82%, aos 1.983,20 pontos. O avanço das ações de instituições financeiras ajudou a amenizar o impacto dos dados sobre os índices. JPMorgan (+3,06%), Bank of America (+3,50%) e American Express (+1,60%).

 

No Brasil, as ações da Vale e das siderúrgicas deram suporte aos ganhos do índice. Vale ON subiu 1,31% e PNA, 1,09%, acompanhando a alta dos metais no exterior. A mineradora anunciou hoje que irá retomar gradativamente as operações na Mina de Água Limpa, em Minas. Gerdau PN subiu 1,74%, Metalúrgica Gerdau PN, 1,70%, CSN ON, 1,03%, Usiminas PNA, 0,63%.

 

Petrobrás ON caiu 0,24%, mas a ação PN subiu 0,12%. Na Nymex, o contrato do petróleo para outubro recuou 0,13%, para US$ 67,96 o barril.

 

Redecard ON registrou variação de +0,12%. As ações foram adicionadas ao índice Dow Jones de Sustentabilidade (DJSI), que divulgou hoje sua 11ª versão.

 

Na avaliação do operador-sênior da TOV, Decio Pecequilo, a tendência para a Bovespa é de alta, apesar de o indicador ter passado por uma breve realização de lucros nas cinco sessões anteriores. A seu ver, a expectativa com o payroll emperrou a semana, mas esse movimento deve ser aliviado na próxima, com a volta dos investidores das férias no Hemisfério Norte e passado o feriado, na segunda-feira, aqui e nos EUA.

Tudo o que sabemos sobre:
mercado financeiroBovespabolsa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.