À espera do amanhecer

"A hora mais escura é a que precede o amanhecer."Este é um antigo provérbio irlandês lembrado em 1940 pelo então primeiro-ministro da Inglaterra, Winston Churchill, quando se referia ao momento de maior prostração da 2ª Guerra Mundial para os aliados, aquele que abrangeu a queda da França e a invasão da Rússia pelas forças alemãs.O significado mais profundo desta frase não é o de que é simples identificar o pior momento de uma calamidade, mas o de que sempre há esperança, mesmo que a hora mais difícil não tenha ainda sido identificada.O presidente Barack Obama, que toma posse hoje no comando do país mais poderoso e mais rico do mundo, tem transmitido esta mensagem, com outras palavras. Ainda no domingo, no seu pronunciamento no Lincoln Memorial, em Washington, não escondeu a prostração do momento. Advertiu que serão necessários mais de um mês e mais de um ano, e provavelmente "muitos anos" para acabar com a crise. Lembrou, também, que a solução não está fora; tem de ser encontrada no coração de cada americano. Esta é a hora de grande insegurança, de descontrole, de falta de confiança e de falta de perspectiva para o americano médio. A insegurança não decorre apenas das perdas patrimoniais que a crise impôs às empresas, ao assalariado e ao aposentado. Decorre de mil outras razões.Esta é uma crise sem precedentes. Ninguém sabe ainda como pode se desdobrar. São mares não mapeados que podem esconder recifes traiçoeiros. A insegurança maior é o desemprego que ataca 72 a cada 1.000 trabalhadores americanos e pode se aprofundar.Nisso vai sendo abalada a base da autoconfiança americana, que é a crença de que o futuro pode ser construído com inteligência, planejamento e trabalho duro e de que basta confiar e perseverar.Mas a percepção da hora é a de que as autoridades estão às cegas. Não previram, não identificaram a tempo, não evitaram o estouro da bolha. Quando reagiram, fizeram bobagem, como entregar o banco Lehman Brothers à sua própria sorte. Depois, trilhões de dólares passaram a ser despejados sobre focos sucessivos de incêndio, sem conseguir debelá-los. E tudo isso vem sendo feito sem prestação de contas à sociedade.Quem está no comando não sabe quanto valem os ativos que estão sendo comprados com recursos públicos. É uma administração pública que não passa segurança. Quando o presidente Bush foi à TV e tentou reerguer o moral da população, ninguém o levou a sério.Até agora, não foi atacada a fonte primária da aflição que tomou conta das classes médias americanas: a desvalorização dos imóveis. A deterioração do poder aquisitivo dos mutuários e a execução das hipotecas, por sua vez, acentuam a desvalorização dos imóveis.A mensagem central de Barack Obama é de que chegaram os tempos de mudança que, no entanto, não mudam o principal: o de que tem de se fundamentar no retorno aos valores deixados pelos ancestrais ("father founders").O desafio é imenso, o amanhecer pode demorar, a confiança tem de ser maior ainda.CONFIRAInesperado - O governo Lula parece espantado com a violência do fechamento de postos de trabalho: 650 mil só em dezembro, a mais forte em dez anos.Quem apostava na marolinha deve agora estar muito preocupado com a tempestade.Essa queda abrupta pode não ter a ver com a crise externa. Pode ser consequência da expansão rápida do crédito nos três últimos meses.O consumidor ficou endividado, está pagando carro, geladeira, o cruzeiro marítimo com as crianças... Assim, o mercado encolheu de repente e as empresas passaram a demitir.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.