A força da 'Dama de Ferro'

A chanceler Angela Merkel chega ao seu sétimo ano de governo pensando no terceiro mandato

MARIANA CONGO E GIOVANA SCHLÜTER, O Estado de S.Paulo

23 de novembro de 2012 | 02h21

Angela Merkel, a mulher mais poderosa do mundo segundo o ranking da revista Forbes pelo segundo ano consecutivo, é chamada de "dama de ferro" da Alemanha - uma referência à ex-primeira-ministra britânica Margaret Thatcher. O apelido é fruto da forma austera como conduz o drama da crise na zona do euro.

A primeira mulher a ocupar o cargo de chanceler da Alemanha assumiu o posto há exatos sete anos, em 2005, depois de uma eleição conturbada, que terminou praticamente empatada e exigiu a coalização entre partidos rivais para reconhecimento da legitimidade de Merkel como chefe de governo. Reeleita com mais facilidade em 2009, ela já vislumbra seu terceiro mandato em 2013. Segundo a Forbes, a chanceler tem aprovação de 70% da população, o que pode ajudar sua candidatura - já anunciada - nas eleições do próximo ano.

No noticiário, Merkel é conhecida por declarações em que defende medidas de austeridade ao mesmo tempo que tenta fazer o possível para preservar a união dos 17 países da zona do euro. Na vida pessoal, a chanceler é casada com o químico Joachim Sauer e não tem filhos. Seu sobrenome marcante é herança do primeiro marido, com quem foi casada entre 1982 e 1997. Criada no leste comunista, ela nasceu em 1954 em Hamburgo, na Alemanha Ocidental. Pouco anos depois, a família mudou-se para a Alemanha Oriental, onde viveu até a queda do muro de Berlim, em 1989.

Terceiro mandato? Líder do partido conservador de direita, a União Democrata-Cristã, Angela Merkel assumiu a Alemanha em 2005 com 11% da população desempregada e a promessa de criar milhões de postos de trabalho por meio de reformas no seguro-desemprego e na flexibilização das regras trabalhistas.

Mesmo com a crise na zona do euro, no ano passado a Alemanha registrou taxa de desemprego de 5,9%. É uma das menores do bloco, que tem disparidades como 21,6% de desempregados na Espanha e 17,3% na Grécia, segundo dados do Fundo Monetário Internacional (FMI).

"Na ausência de figuras políticas internacionais relevantes, Merkel acabou sendo a grande figura da zona do euro", avalia André Perfeito, economista-chefe da Gradual Investimentos, citando nomes como o ex-presidente da França Nicolas Sarkozy; o ex-premiê italiano Silvio Berlusconi e o presidente dos EUA, Barack Obama. Segundo ele, a crise europeia desvalorizou a moeda do bloco e favoreceu a Alemanha - país essencialmente exportador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.