Fabio Motta/Estadão, Brazilian Sugar Kane Association NYT e Tasso Marcelo/AE
Fabio Motta/Estadão, Brazilian Sugar Kane Association NYT e Tasso Marcelo/AE

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

A fraqueza desse PIB

Não surpreendeu, mas também não deixou de decepcionar

Celso Ming, O Estado de S.Paulo

04 de março de 2020 | 18h01

Se não chegou a surpreender, esse Produto Interno Bruto (PIB) também não deixou de decepcionar.

Um avanço de 1,1% em 2019 (sobre 2018) e de 0,5% no quarto trimestre (sobre o terceiro) foi o que a maioria dos analistas já vinha cantando.

As previsões iniciais de um crescimento de pelo menos 2,8% em 2019 se frustraram em consequência de três fatores: a crise da Argentina; os desdobramentos da guerra comercial entre Estados Unidos e China, que estreitaram o mercado de exportações e derrubaram os preços das commodities, das quais o Brasil é grande fornecedor global; e a tragédia de Brumadinho, que achatou a produção da indústria extrativa. Só esses três fatores devem ter comido cerca de 1% do PIB em 2019.

Mas isso é como trombada de carro em barranco provocada por um cachorro que atravessava a estrada. As verdadeiras causas são outras: é desatenção e imperícia do condutor do veículo e, talvez, freios sem manutenção. Dá para conferir, também, que o Brasil só consegue bons resultados no seu sistema produtivo quando tudo vai bem no resto do mundo e quando não sobrevêm desastres naturais.

Há anos, a economia brasileira vem patinando em consequência de sua reduzida poupança e baixíssimo investimento. Quem come as sementes não semeia e também não colhe. Para crescer pouco mais de 3% ao ano, o investimento (Formação Bruta de Capital Fixo) teria de ser da ordem de 22% do PIB. No ano passado, ficou nos 15,4% e, em 2018, em 15,2% do PIB, como está no gráfico ao pé desta Coluna. Ninguém esperava a piora do ritmo do investimento no quarto trimestre de 2019 de 3,9% para 2,2%.

A poupança nacional também é a precariedade já conhecida. Não passou de 12,2% do PIB, abaixo dos 12,4% registrados no ano anterior. E não se diga que baixo nível de poupança é sina de país pobre, que vive da mão para a boca, como tanto se ouve por aí. O padrão asiático de países ainda pobres é poupança de 30% a 35% do PIB. A China vai muito além, poupa em torno de 50% da renda. Ou seja, o chinês, de quem tanto se diz que é mal remunerado, consegue poupar metade do seu salário. E ainda tem de sustentar seus idosos, porque o país não tem sistema previdenciário público. No ano passado, o Brasil apresentou poupança de apenas 12,2%.

O Brasil é um país economicamente desarrumado. Enfrenta custos altos demais de produção; uma infraestrutura sucatada ou não existente; um sistema tributário caótico; por falta de acordos comerciais, não conta com acesso a mercados; tem péssima distribuição de renda, grande parte dela apropriada por corporações que só pensam no seu interesse... E a lista é enorme.

Para Entender

Como o PIB é calculado

O Produto Interno Bruto (PIB) é utilizado para medir a atividade econômica do país. Economistas costumam dizer que o PIB é um bom indicador de crescimento, mas não de desenvolvimento. Confira.

Essa ficha é a razão da insistência na necessidade de reformas e na modernização das relações de trabalho.

Isso posto, convém perguntar sobre o que esperar para este 2020, que também começa capenga em relação ao que dele se esperava. O avanço de 1,1% no PIB em 2019 sugere que a força de arrasto (carry-over) para este ano é de alguma coisa entre 0,6% e 0,8%. Portanto, há um certo embalo com que se pode contar. Outras condições técnicas também ajudam: inflação e juros baixos, melhor controle das finanças públicas, abundância de crédito, agronegócio e setor do petróleo no auge de sua forma e mais torque no consumo das famílias.

Mas as incertezas continuam elevadas. Há esse surto de coronavírus, de consequências imprevisíveis, que estancou a segunda locomotiva do mundo. E tem a política interna, que às vezes empaca e outras, descarrila, sempre a pôr em risco o sistema de tomada de decisões. Os últimos levantamentos feitos no mercado pelo Boletim Focus, do Banco Central, projetam avanço do PIB em 2020 de 2,17%, mas o estrago produzido pelo coronavírus na economia mundial já levou grande número de instituições a corrigir suas estimativas mais otimistas para alguma coisa abaixo de 2%. Dentro de quatro ou cinco semanas será possível ter uma ideia melhor do que esperar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.