'A grade foi alterada para atender conteúdo digital'

O professor do curso de produção editorial da Universidade Anhembi Morumbi, Whanter Endo (foto abaixo), conta que, durante muito tempo, essa formação teve como objetivo principal capacitar o profissional a trabalhar com as diversas linguagens multimidiáticas, dando ênfase à mídia imprensa.

CRIS OLIVETTE, O Estado de S.Paulo

07 de julho de 2013 | 02h10

"Com a evolução tecnológica, passamos a destacar também outras linguagens, principalmente para atender a demanda por livros digitais." Ele afirma que, por esse motivo, a faculdade alterou a grade curricular, incluindo várias disciplinas que têm por objetivo capacitar o aluno a trabalhar com o conteúdo digital.

Endo diz que pesquisas realizadas pela Câmara Brasileira do Livro apontam que o mercado editorial está crescendo, assim como o número de leitores. "O mercado está passando por uma transformação, e nós identificamos isso como uma grande oportunidade para esses profissionais, já que está havendo aumento na quantidade de leitores e de produtos", avalia.

O professor afirma que a migração de conteúdos offline para as mídias digitais fez aumentar o número de vagas de trabalho para o produtor editorial. "Atualmente a empregabilidade é grande. a partir do segundo semestre, os nossos alunos já são requisitados para estágio em grandes editoras."

Um exemplo é a estudante do sétimo semestre da Anhembi Morumbi, Marcella Doratioto, de 22 anos, que realiza estágio há um ano, em uma grande editora, na área de educação. Ela diz que, no início da experiencia, passou por todos os departamentos da empresa para conhecer o fluxo de trabalho. "Agora estou fixa no departamento de iconografia. Trabalho no segmento de sistema de ensino, que produz apostilas para cursos pré-vestibular e para um sistema de ensino."

Marcela diz que seu trabalho é pautado pela área editorial. "Recebo a pauta indicando o tipo de imagem que eles precisam. Faço a busca, em seguida entro em contato com os cartunistas e fotógrafos para tratar do licenciamento do material, e realizo os procedimentos de compra dessas ilustrações."

A estudante conta que sempre gostou de escrever e que pensava em fazer jornalismo, mesmo não tendo identificação com rádio e TV, que fazem parte do curso. "Uma professora do ensino médio sugeriu que eu fizesse produção editorial. Fiquei interessada, pesquisei a grade curricular e achei bem interessante."

Depois de formada, Marcela diz que será efetivada na empresa, mas ainda não sabe em qual departamento. "Futuramente espero trabalhar em redação porque gosto muito de escrever, principalmente se for sobre decoração e beleza."

Segundo o professor, trabalhar com produção de textos é uma das competências proporcionadas pela formação. "O profissional pode, ainda, atuar na área editorial fazendo, por exemplo, revisão de textos."

Endo afirma que, ao final do curso, os alunos estarão aptos a criar, planejar e elaborar produtos editoriais gráficos, audiovisuais e virtuais. "Além disso, eles saberão definir o preço de um produto, calcular a tiragem, planejar estratégias de marketing editorial e a comercialização dos produtos, entre outras habilidades."

MARCELLA DORATIOTO

ALUNA DO SÉTIMO SEMESTRE

Aos 22 anos, a estudante da Anhembi Morumbi conta que faz estágio há um ano em uma grande editora. Após passar por vários departamentos, cuida atualmente da área de iconografia. Depois de formada, será efetivada, mas ainda não sabe em qual área. Seu sonho é um dia poder trabalhar em redação por gostar muito de escrever.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.